Os prós e contras da adoção internacional

Escrito por jan hill | Traduzido por luiz cezar guimarães júnior
  • Compartilhar
  • Tweetar
  • Compartilhar
  • Pin
  • E-mail
Os prós e contras da adoção internacional
Espere gastar tempo e dinheiro ao adotar uma criança do exterior (Asian children image by Gina Smith from Fotolia.com)

Milhares de americanos adotam crianças de países como a Rússia, Haiti, China, Japão, Tailândia, Guatemala e Vietnã. A maioria das adoções internacionais segue um processo semelhante. As famílias candidatam-se em uma agência licenciada para um estudo de residência, apresentam um pedido com o Serviço de Naturalização e Imigração, preenchem muita papelada e fornecem documentos. Considere todos os prós e contras antes de iniciar este processo emocionante, caro e complexo.

Outras pessoas estão lendo

Prós da adoção internacional

Poucos bebês saudáveis estão disponíveis para adoção nos Estados Unidos. No exterior, você pode encontrar uma seleção mais ampla, incluindo crianças mais jovens, crianças mais velhas, crianças saudáveis e aqueles que podem ter necessidades especiais. Por causa de logística, pais biológicos não interferem depois que a criança é adotada. O tempo de espera para adotar internacionalmente é geralmente previsível – uma média de 12 a 18 meses, mas sem qualquer garantia. As agências costumam fornecer aos pais adotivos uma tabela de tarifas antes de começar o processo, assim é possível saber com antecedência o custo aproximado. Pelo menos um pai viaja ao país para pegar a criança e finalizar o processo de adoção lá, criando uma oportunidade de experimentar a cultura nativa da criança.

Contras da adoção internacional

Você deve viajar para outro país para pegar seu filho e possivelmente permanecer por várias semanas, dependendo das regras do país. Algumas nações exigem várias visitas. Embora bebês colocados para adoção internacional sejam geralmente menores de um ano, você não terá um recém-nascido. A agência de adoção fornece uma cópia do histórico médico do seu filho, mas pode não ser completa, e as informações sobre o histórico da família são escassas. As mães dos adotados recebem quase nenhum cuidado pré-natal. Uma criança que vem de um orfanato pode ter problemas médicos ou atrasos de desenvolvimento, por causa do tempo gasto em uma instituição. A adoção internacional requer uma enorme quantidade de papelada. Uma vez que você envia os documentos, você tem muito pouco controle sobre o resto do processo. Até que ele seja finalizado por decreto e um visto seja aprovado pela Embaixada Americana, o país de nascimento mantém a custódia da criança. Esse país também pode decidir retirar a criança da adoção, independente da vontade da família adotiva, e as agências de adoção não tem qualquer controle sobre isso.

Leis que regem adoções internacionais

Adoções internacionais são regidas por ambas as leis do país de origem da criança e as dos Estados Unidos. Famílias americanas que adotam internacionalmente devem cumprir com três diferentes conjuntos de leis: as leis do país de nascimento da criança, leis dos Estados Unidos e do estado onde residem os pais adotivos. A Convenção da Haia sobre adoção rege as adoções americanas com cerca de 75 países. O processo de adoção de uma criança de um país da convenção, difere de várias maneiras com uma adoção de um país não-parte da Convenção. Por exemplo, países da Convenção são obrigados a fornecer registros médicos da criança e dar aos pais adotivos pelo menos duas semanas para revisá-los. Os países fora da Convenção não têm esse requisito. As taxas de adoção devem ser discriminadas nos contratos de adoção dos países da Convenção, enquanto nos países fora da Convenção não é necessário divulgar essas informações.

Não perca

Filtro:
  • Geral
  • Artigos
  • Slides
  • Vídeos
Mostrar:
  • Mais relevantes
  • Mais lidos
  • Mais recentes

Nenhum artigo disponível

Nenhum slide disponível

Nenhum vídeo disponível