Quais alimentos devem ser cortados da dieta de uma criança hiperativa?

Escrito por cl hendricks | Traduzido por eduardo chagas
  • Compartilhar
  • Tweetar
  • Compartilhar
  • Pin
  • E-mail
Quais alimentos devem ser cortados da dieta de uma criança hiperativa?
O salicilato em alguns alimentos, como laranjas, pode desencadear o TDAH (PhotoObjects.net/PhotoObjects.net/Getty Images)

A hiperatividade é uma condição definida por certos padrões de comportamento. Este termo é usado frequentemente para descrever comportamentos como dificuldade de concentração, impulsividade, falta de atenção e excitabilidade excessiva. O termo TDAH (Transtorno de Déficit de Atenção e Hiperatividade) também é comumente empregado. Suspeita-se que alguns alimentos e aditivos alimentares estimulam a hiperatividade em crianças.

Outras pessoas estão lendo

Primeiros estudos

Em 1970, o Dr. Benjamin Feingold, pediatra e chefe do setor de alergia no hospital Kaiser Permanente, em São Francisco, EUA, publicou um estudo que cita uma relação entre aditivos, aromatizantes artificiais, coloração artificial e hiperatividade. Um estudo de 1994, desenvolvido pelo centro médico do hospital North Shore, EUA, investigou a resposta de crianças com TDAH à uma dieta restrita, sem muitos alimentos, conservantes e corantes. O relatório conclui que eliminar alimentos reativos e corantes artificiais surte um efeito positivo e que as mudanças na dieta podem desempenhar um papel significativo no comportamento das crianças com TDAH.

Hiperatividade e corantes

De acordo com a FSA, agência reguladora de alimentos do Reino Unido, algumas misturas de corantes alimentícios artificiais podem influenciar a hiperatividade de algumas crianças. Os seguintes corantes listados são encontrados em muitos alimentos e bebidas: amarelo-sol FCF (E110), amarelo quinolina (E104), carmoisine (E122), vermelho allura (E129), tartrazina (E102) e ponceau 4R (E124). Estas cores são particularmente brilhantes e são comumente usadas em alimentos direcionados para crianças, como sorvetes, bolos e alguns tipos de refrigerantes.

Adoçantes

A relação entre o açúcar e adoçantes artificiais como aspartame e o subsequente efeito sobre crianças hiperativas é controversa e não é apoiada por estudos científicos. No entanto, algumas crianças são naturalmente sensíveis aos alimentos doces e podem se tornar mais ansiosas ou nervosas após ingerir doces. O açúcar e outros carboidratos são conhecidos por mover-se rapidamente para a corrente sanguínea e criar uma descarga de energia. Níveis de glicose no sangue podem subir e descer rapidamente, e as crianças podem responder com um comportamento hiperativo.

Salicilato

A pesquisa do Dr. Feingolds também menciona uma substância chamada salicilato, presente naturalmente em muitos alimentos. Alguns dos alimentos que contêm altos níveis de salicilato são maçãs, cerejas, uvas, laranjas e tomates. O Dr. Feingold aconselhou a remoção desses alimentos da dieta das crianças por períodos de quatro a seis semanas, observando qualquer melhoria nesse tempo. Ele aconselhou substitui-los por alimentos com baixo nível de salicilato, como bananas, peras sem casca e suco de limão.

Considerações

Os pais são geralmente muito conscientes do comportamento de suas crianças e sabem quais situações engatilham o comportamento hiperativo. Há uma grande quantidade de informações conflitantes sobre quais alimentos contribuem para a hiperatividade. Os pais são incentivados a tomar decisões baseadas nas necessidades e comportamento de seus filhos. Se eliminar um determinado alimento tem um efeito positivo sobre seu filho, tome nota do mesmo. Muitos pais defendem que a redução de açúcares ou determinadas frutas é suficiente, embora outros acreditem que uma dieta mais restritiva produza melhores resultados.

Não perca

Filtro:
  • Geral
  • Artigos
  • Slides
  • Vídeos
Mostrar:
  • Mais relevantes
  • Mais lidos
  • Mais recentes

Nenhum artigo disponível

Nenhum slide disponível

Nenhum vídeo disponível