Quais são as diferenças entre os ossos das aves e os nossos?

Escrito por cassandra mathers | Traduzido por luigi bahia
  • Compartilhar
  • Tweetar
  • Compartilhar
  • Pin
  • E-mail
Quais são as diferenças entre os ossos das aves e os nossos?
Os ossos das aves são ocos e porosos para diminuir o peso de seus corpos (Jupiterimages/liquidlibrary/Getty Images)

A estrutura do esqueleto dos animais deriva em grande parte da evolução. Como as espécies animais se adaptaram a diferentes nichos ecológicos, as suas estruturas físicas muitas vezes mudam ao longo do tempo, uma forma de 'recompensa' da seleção natural para o sucesso reprodutivo dos indivíduos com as adaptações mais bem sucedidas. Os seres humanos estão adaptados a uma vida de caminhada e corrida, de forma que nossos ossos evoluíram para apoiar o nosso modo de vida bípede. Aves, no entanto, são fortemente adaptadas a uma vida de voo, o que se reflete na estrutura e composição de seus esqueletos.

Outras pessoas estão lendo

Ossificação

Os esqueletos dos pássaros são extremamente finos, mas ainda assim precisam ser muito fortes para sobreviverem aos rigores do voo. Uma adaptação que permitiu isso foi a fusão de ossos em estruturas maiores e mais rígidas, como o pigóstilo, localizado na base da coluna vertebral de uma ave. Pensa-se que esse recurso evoluiu porque a cauda de movimento livre, como a do Archaeopteryx (considerada a "primeira ave"), não é tão útil para o controle do voo como uma cauda fixa. Estas fusões ou ossificações são muito mais comuns nas aves do que nos outros animais. Em humanos, apenas o crânio, a pélvis e as extremidades dos ossos longos dos membros, que terminam em placas de crescimento, apresentam este nível de fusão.

Massa óssea

Outra adaptação útil para o voo foi a redução da massa óssea absoluta. Ao contrário dos seres humanos - que têm ossos muito maciços - pássaros apresentam ossos pneumáticos, que contêm câmaras ocas preenchidas por ar. Estas bolsas de ar são atravessadas por 'palitos' ou treliças ósseas que aumentam a resistência estrutural ao mesmo tempo em que reduzem a massa total do osso. O tipo de locomoção adotado pelas diferentes espécies de aves parece ter afetado evolutivamente o número de ossos ocos presentes; aves que planam por longos períodos de tempo têm o maior número de ossos ocos, enquanto aves de natação e corrida como pinguins e avestruzes não têm um osso pneumático sequer.

Fúrcula

As aves são os únicos animais que têm uma clavícula fundida: a fúrcula, a qual se estende até o esterno e se alonga numa estrutura em formato de quilha. Este esterno especial serve como um ponto de fixação para os fortes músculos associados ao voo, ou, no caso dos pinguins, natação. Aves que não voam, como avestruzes, não apresentam a quilha. Em contraste, os ossos do tórax humano são estruturados de modo que os músculos mais fortes sejam ancorados na parte de trás, apoiando nossas cabeças e postura vertical. Isto é necessário devido ao fato que o crânio humano compõe cerca de 5% de sua massa corporal, enquanto o crânio de um pássaro compreende cerca de 1%.

Processo Uncinado

As aves também possuem um processo uncinado, ausente nos seres humanos. Esses recursos são extensões franjadas dos ossos que ajudam a fortalecer a fina caixa torácica de um pássaro sobrepondo as costelas atrás dela. O nome vem da palavra latina "uncinatus", que significa "enganchado". Esta adaptação dos ossos maciços é exclusiva das aves, apesar de alguns répteis e dinossauros possuírem uma espécie de 'versão' da estrutura, composta de cartilagem. O processo uncinado demonstrou desempenhar um papel na respiração, mantendo o peito expandido, aumentando assim a eficácia da inspiração. Em seres humanos, a respiração é regulada pela força do diafragma e músculos do peito e costas.

Não perca

Filtro:
  • Geral
  • Artigos
  • Slides
  • Vídeos
Mostrar:
  • Mais relevantes
  • Mais lidos
  • Mais recentes

Nenhum artigo disponível

Nenhum slide disponível

Nenhum vídeo disponível