Quais são as duas maneiras que um arqueólogo usa para descobrir o quão antigo é um artefato?

Escrito por renee shah | Traduzido por eduardo chagas
  • Compartilhar
  • Tweetar
  • Compartilhar
  • Pin
  • E-mail
Quais são as duas maneiras que um arqueólogo usa para descobrir o quão antigo é um artefato?
Arqueólogos passam muito mais tempo em laboratórios que explorando templos perdidos de civilizações esquecidas (Photos.com/Photos.com/Getty Images)

Ainda que a ciência da arqueologia tenha sido glamorizada por personagens como Indiana Jones e Lara Croft, a realidade é menos emocionante. Ao invés de caçar por tesouros proibidos, os arqueólogos atuais provavelmente vão passar muito mais tempo em um laboratório, analisando cuidadosamente suas descobertas. A maior parte dessa analise vem de datar os artefatos. Uma habilidade que uma vez já envolveu muita adivinhação agora é uma ciência precisa, e os arqueólogos tem muitas maneiras de determinar a idade dos objetos. Esses métodos podem ser divididos em dois grupos: Datação relativa e absoluta.

Outras pessoas estão lendo

Método de datação relativa: Estratigrafia

A forma mais antiga de datação de um artefato arqueológico é chamada de datação relativa. Esse termo refere-se a arte de datar materiais baseado em sua posição relativa a outros itens ao seu redor. Esse tipo básico de datação relativa é chamado de estratigrafia.

Datação estratigráfica depende da lei da sobreposição, que estipula que os itens no fundo devem ser os mais antigos. Naturalmente, então, os itens encontrados perto do topo da escavação devem ser mais novos que os que estão embaixo. Se um arqueólogo encontra uma peça de cerâmica que ele sabe que é, por exemplo, do século XV, então ele pode presumir que uma peça de cerâmica encontrada em uma camada de terra abaixo é mais antiga. Essa forma de datação grosseira tem uma grande margem de erro, mas ainda é útil para determinar a cronologia de um conjunto de objetos.

Método de datação relativa: Seriação

A seriação é uma forma mais refinada de datação relativa, e foi um grande avanço no campo quando foi criada nos anos 1800 pelo Sir William Flinders-Petrie. A seriação é baseada na estratigrafia, mas inclui a aplicação de estatística, deixando o processo de datação muito mais preciso.

A seriação reconhece que alguns tipos de artefatos mudam com o tempo. Por exemplo, a cerâmica: um arqueólogo bem educado vai saber que os estilos de cerâmica evoluíram com o tempo, e alguns tipos de padrões emergentes como habilidades de decoração ficaram mais refinados. O arqueologista usa estáticas para quantificar a mudança no estilo da cerâmica, e qualquer nova descoberta pode ser colocada dentro de uma "linha do tempo" de estilos para estipular a data precisa. Essa técnica é particularmente útil quando artefatos solitários são encontrados, fazendo com que a datação estratigráfica seja impossível.

Método de datação absoluta: Datação por radiocarbono

A era moderna da Química e da Física teve um impacto massivo na arqueologia. Novas descobertas em física nuclear em particular resultou em um dos mais importantes desenvolvimentos na ciência da arqueologia: datação por radiocarbono.

Datação por radiocarbono, muitas vezes chamada de datação c-14, é baseada na ideia de que todos os organismos vivos têm uma porcentagem distinta de carbono-14 e carbono-12, e uma vez que morrem, o carbono-14 em seu corpo começa a decair. A velocidade de decaimento é estável e previsível, então ao medir a quantidade de carbono-14 que sobrou um cientista pode determinar por quanto tempo ele esteve morto. A desvantagem da datação c-14 é que ela só pode ser usada em organismos que já estiveram vivos, como madeira ou restos animais, e aqueles restos devem ter ao menos mil anos para que a datação seja útil.

Método de datação absoluta: Outros métodos

Em adição a datação por c-14, existem vários outros métodos de datação absoluta que podem ter dar uma data precisa de vários tipos de artefatos. A dendrocronologia usa o tamanho e espaçamento dos anéis de árvore para determinar a data de objetos de madeira. A datação arqueomagnética pode ser útil para datar objetos de argila; os fornos usados para aquecer a argila adotam um ponto magnético toda vez que são aquecidos e esfriados, e esse ponto magnético pode ser calibrado usando data astronômica para determinar datas precisas.

Até mesmo com o advento de métodos científicos mais e mais precisos de datação, é muito útil que o arqueólogo combina métodos relativos e absolutos de datação quando determinar a data final de um artefato.

Não perca

Filtro:
  • Geral
  • Artigos
  • Slides
  • Vídeos
Mostrar:
  • Mais relevantes
  • Mais lidos
  • Mais recentes

Nenhum artigo disponível

Nenhum slide disponível

Nenhum vídeo disponível