Mais
×

Conheça os estádios da Copa do Mundo 2014

Stanley Chou/Getty Images Sport/Getty Images

Introdução

Depois de 64 anos, o Brasil voltará a sediar uma Copa do Mundo. Para receber o torneio, o país precisa se adaptar a uma série de exigências da Fifa, a entidade máxima do futebol. Entre as missões, está a de entregar estádios em condições de receber as partidas. Ao todo, serão 12 praças esportivas, modernas, amplas e confortáveis. Alguns locais tiveram de passar por profundas reformas. Outros foram simplesmente demolidos para dar lugar a novas construções ou construídos do nada. Os projetos arquitetônicos são belíssimos e muitos deles ousados. Tudo isso, evidentemente, tornou-os caríssimos. Conheça os locais que farão os brasileiros realizarem o sonho de acompanhar o mundial em seu próprio território.

Shaun Botterill/Getty Images Sport/Getty Images

Mineirão

O estádio Magalhães Pinto, mais conhecido como Mineirão, está situado na cidade de Belo Horizonte (MG) e foi inaugurado em 1965. O local passou por uma profunda reformulação para sediar os jogos da Copa do Mundo de 2014. A arena teve sua capacidade máxima reduzida de 100 mil para 64,5 mil lugares, mas foi modernizado, atendendo desta forma a todas as exigências da Fifa. Ao todo, as obras ocorreram em uma área de 209 mil m² e consumiram cerca de R$ 695 milhões. O estádio foi reinaugurado em fevereiro de 2013 e receberá seis partidas do mundial, incluindo uma das semifinais.

Julian Finney/Getty Images Sport/Getty Images

Mané Garrincha

O Estádio Nacional Mané Garrincha, em Brasília (DF), foi inaugurado em 1974, com capacidade para abrigar 42 mil torcedores. Para se adaptar às exigências impostas pela Fifa para os jogos da Copa do Mundo, o local teve de ser parcialmente demolido. Uma profunda reformulação começou em 2010, chegando às etapas finais no início de 2013. Inaugurado, terá capacidade bem maior: 70 mil pessoas. As intervenções ocorreram em uma área de 214 mil m², consumindo nada menos que R$ 1,05 bilhão, um dos mais caros projetos para o mundial. O novo Mané Garrinha em nada lembrará a antiga praça de esportes e receberá sete jogos, incluindo a disputa pelo terceiro lugar.

Stu Forster/Getty Images Sport/Getty Images

Arena Pantanal

Inaugurado em 1976, o velho Estádio José Fragelli, em Cuiabá (MT), não tinha condições para receber a Copa do Mundo de 2014. Ele foi demolido então para dar lugar à moderníssima Arena Pantanal, que terá capacidade para 42.968 espectadores (8 mil a menos que anteriormente). Trata-se, na verdade, de uma arena multiuso, composto por uma estrutura modelar, que permite a remoção de parte das arquibancadas e também da cobertura. O local poderá receber eventos diversificados, como shows, exposições e feiras. As obras, ainda não finalizadas, têm custo estimado de R$ 518,9 milhões. Quatro jogos serão disputados, todos da primeira fase do torneio.

Dean Mouhtaropoulos/Getty Images Sport/Getty Images

Arena da Baixada

Um dos únicos três estádios privados a sediar a Copa de 2014, a Arena da Baixada pertence ao Atlético Paranaense e está situado em Curitiba (PR). Ele foi construído em 1914 e passou por várias reformas, sendo a mais recente em 1999. Antes mesmo de ser escolhido como sede, o local já era um dos mais modernos do Brasil. Mesmo assim, está passando por uma série de intervenções, com custo estimado de R$ 234 milhões. Vêm sendo construídos novos lances de arquibancadas e uma cobertura especial. Com a conclusão, poderá receber 40 mil pessoas sentadas confortavelmente. Quatro partidas do mundial ocorrerão ali.

Shaun Botterill/Getty Images Sport/Getty Images

Castelão

Construído em 1973, o Estádio Governador Plácido Castelo, mais conhecido como Castelão, está situado em Fortaleza (CE). Concebido para abrigar mais de 100 mil torcedores, terá sua capacidade reduzida para 64.846 após as obras necessárias para adequá-lo às exigências da Fifa. Primeira obra a ser concluída para a Copa, o local ganhou um estacionamento coberto com 1.900 vagas e conta com estrutura de camarotes, área VIP, setor de imprensa, zona mista e vestiários totalmente renovados. Todos os assentos são protegidos por uma cobertura, mesmo aqueles situados no anel inferior, mais próximo ao gramado. As obras consumiram R$ 518,6 milhões para que o Castelão seja palco de seis jogos da Copa.

Jasper Juinen/Getty Images Sport/Getty Images

Arena Amazônia

A cidade de Manaus (AM) terá em breve um belo estádio. A Arena Amazônia substituirá o antigo Vivaldo Lima, o Vivaldão, que foi inaugurado em 1970 e demolido quarenta anos depois. A capacidade saltará de 31 mil para 44 mil pessoas e o público poderá contar ainda com restaurantes e um estacionamento subterrâneo. O projeto permitirá que a praça esportiva também possa receber shows e eventos. Ecologicamente correta, a arena armazenará água da chuva para uso posterior nos banheiros ou irrigação do gramado. A luz solar também será utilizada como energia renovável. As obras estão orçadas em R$ 532,2 milhões. Quatro partidas da primeira fase do Mundial serão realizadas no local.

Adam Pretty/Getty Images Sport/Getty Images

Arena das Dunas

Em 1972 foi inaugurado o estádio João Cláudio de Vasconcelos Machado, o Machadão, em Natal (RN). Em 2011, acabou sendo demolido para dar lugar à Arena das Dunas, que abrigará quatro partidas da Copa do Mundo de 2014. A capacidade será ampliada de 42 mil para 45 mil pessoas. A um custo estimado de R$ 417 milhões, a nova praça possuirá arquibancadas flexíveis, que permitirão remover parte dos assentos. Não será apenas no nome que o local evocará uma das principais atrações naturais da capital potiguar: a construção terá muitas curvas, com a ondulação emulando as belas dunas de areia.

Miguel Tovar/Getty Images Sport/Getty Images

Beira-Rio

Outro estádio particular a receber partidas da Copa do Mundo, o José Pinheiro Borda, conhecido como Gigante do Beira-Rio, foi inaugurado em 1969 em Porto Alegre (RS). Chegou a receber mais de 90 mil pessoas, mas terá sua capacidade reduzida para 60 mil após o mundial. Os R$ 330 milhões investidos em sua reforma prevêem melhorias nas arquibancadas e a instalação de cobertura completa, um dos projetos que nunca foram concluídos desde a inauguração. As obras incluem ainda intervenções de renovação urbana em toda a região ribeirinha. Ao todo, ocorrerão ali cinco jogos do torneio, incluindo um duelo válido pelas quartas-de-final.

Shaun Botterill/Getty Images Sport/Getty Images

Arena Pernambuco

Um novo estádio foi projetado na cidade de São Lourenço da Mata, na região metropolitana do Recife (PE), para abrigar cinco partidas da Copa do Mundo. A Arena Pernambuco terá capacidade para acomodar 43.921 torcedores. As obras, com custo estimado de R$ 529,5 milhões, tiveram início em 2009 e incluem ainda a construção de um estacionamento com capacidade para abrigar até 6 mil veículos. Vários outros empreendimentos vêm sendo realizados na região, onde vive uma população carente. O espaço terá perfil multiuso, podendo abrigar outras competições esportivas, feiras, convenções e grandes espetáculos, onde a capacidade será ampliada para 63 mil pessoas.

Shaun Botterill/Getty Images Sport/Getty Images

Arena Fonte Nova

O velho estádio Octávio Mangabeira, mais conhecido como Fonte Nova, sempre foi um dos orgulhos de Salvador (BA). Com capacidade para mais de 80 mil pessoas, seu status mudou. O abandono levou à interdição em 2007, após um desabamento que deixou sete mortos. Em 2010, foi totalmente demolido para dar lugar à Arena Fonte Nova, com capacidade menor (50 mil lugares), mas maior segurança. Com custo de R$ 591,7 milhões, as obras incluem estacionamento, shopping, hotéis e uma casa de shows. Um ponto especial foi a manutenção do vão atrás de um dos gols, que permite visualizar o Dique de Tororó. Seis partidas da Copa do Mundo ocorrerão nesta nova praça de esportes.

Daniel Vorley/Getty Images Sport/Getty Images

Itaquerão

Após muita polêmica sobre a escolha do palco dos jogos em São Paulo (SP), foi definido que o futuro estádio do Corinthians seria o espaço ideal. Com capacidade para 65 mil pessoas, o local terá ainda um estacionamento com capacidade para 3,5 mil veículos. Ainda sem nome, foi apelidado de Itaquerão, por estar localizado no bairro de Itaquera. Várias obras viárias e outras melhorias serão realizadas no bairro, conhecido por abrigar uma população de baixa renda. Os custos da construção da praça esportiva estão estimados em R$ 820 milhões. Sediará seis jogos, incluindo a partida de abertura e uma das semifinais.

Shaun Botterill/Getty Images Sport/Getty Images

Maracanã

Por décadas tido como o maior estádio do mundo, o Maracanã foi inaugurado em 1950, no Rio de Janeiro (RJ), para a Copa do Mundo de 1950. Na grande decisão do torneio, chegou a receber mais de 200 mil pessoas, mas sua capacidade foi sendo reduzida gradativamente. Totalmente reformulado, continuará sendo o maior do país, mas poderá receber apenas 76 mil espectadores. Em compensação, os novos assentos terão melhor visibilidade e o local contará ainda com uma nova cobertura, que captará água da chuva para reuso. A fachada, tombada pelo Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional, permanecerá intacta. As obras foram orçadas em R$ 808 milhões. Será palco de sete jogos, incluindo a grande final.