Como reduzir o impacto dos desmatamentos florestais?

Escrito por érica frança
Como reduzir o impacto dos desmatamentos florestais?
O desmatamento causa uma série de danos ao ar, água e solo (Morley Read/iStock/Getty Images)

Os grandes ecossistemas, como a Floresta Amazônica, o Pantanal Mato-Grossense e a Floresta Equatorial do Sudeste Asiático, vêm sendo devastados pela implacável ação humana. Cada vez mais, áreas gigantescas vêm sendo destruídas para a construção de novas cidades ou para áreas de pasto e cultivo. O resultado é que o prejuízo ao meio ambiente cresce em proporção geométrica, poluindo o ar, a água e o solo. Várias medidas podem ser tomadas para reduzir esse impacto ambiental. Conheça algumas delas.

Reflorestamento

Uma das mais conhecidas formas de reduzir (ou até mesmo reverter) o impacto causado pelo desmatamento. O reflorestamento se baseia no replantio de espécies nativas de uma determinada região, com vistas a recuperar, a médio ou longo prazo, uma área florestal que já tenha sido total ou parcialmente devastada. Tem sido utilizado tanto para recuperar a vegetação destruída por forças da natureza (como incêndios, alagamentos e terremotos) quanto por ações tipicamente humanas (cortes e queimadas para exploração de madeira e expansão de pastos e plantações). Essas ações se tornam ainda mais importantes na beira de rios e lagos, reconstruindo a mata ciliar.

Menor emissão de gases

Uma região com intensa proporção de mata nativa consegue minar com maior facilidade os gases eliminados por outros seres vivos e também os poluentes produzidos pelo homem. Quando existe devastação nas matas, esta região fica mais vulnerável à poluição do ar. Por isso, criar metas de redução na emissão de gases é fundamental para minimizar o impacto ambiental em uma área recém-desmatada. Várias ações têm sido realizadas nos últimos anos para, por exemplo, acabar com a produção de CFC (clorofluorcarbono), que provoca a destruição da camada de ozônio que cobre a Terra.

Policultura

Um dos maiores prejudicados com a destruição de matas nativas é o próprio solo que o mantinha. Sua fertilidade pode ser gravemente afetada se algumas ações não forem tomadas após o desmatamento. Uma delas é evitar a monocultura – plantio de um único tipo de produto a longo prazo. Um revezamento periódico nas culturas fará com que a terra fique fértil por mais tempo. Outra ação colabora para minimizar o impacto é dedicar algum período de ociosidade para o solo, entre uma plantação e outra, permitindo assim uma recuperação mais rápida.

Áreas de proteção

Quanto maior a área desmatada, maior o prejuízo ambiental em um grande ecossistema. Por isso, a criação de áreas de proteção florestal, intercalada em regiões onde há fortes desmatamentos, ajuda a minimizar esse impacto, permitindo a recuperação mais rápida de algumas espécies vegetais. A criação de reservas também ajuda a manter a biodiversidade animal, preservando as moradias e fontes de alimentação de diversas exemplares. Não podemos esquecer também que várias tribos indígenas dependem das florestas e lá vivem, sendo diretamente beneficiadas por ações de preservação deste porte.

Leis de incentivo

A intensificação da atividade econômica em áreas anteriormente desabitadas tem resultado em forte degradação ambiental. Uma forma de minimizar esse problema está na concessão de benefícios para moradores, fazendeiros e outros empreendedores, caso realizem ações de manutenção de parte da mata nativa em suas propriedades. Ações como essa impedem a destruição total da mata nativa e, portanto, são fundamentais para minorar o impacto ecológico. Várias leis dessa natureza têm sido implantadas em todo o mundo.