Como reduzir a produção de dopamina

Escrito por james clark | Traduzido por luis fernando dias carvalho
  • Compartilhar
  • Tweetar
  • Compartilhar
  • Pin
  • E-mail
Como reduzir a produção de dopamina
Estrutura química da dopamina, um neurotransmissor

A dopamina é um neurotransmissor que afeta a atividade cerebral e o sistema cardiovascular. A exposição ao bifenilos policlorados (BPC), uma forma de poluente químico tóxico, pode reduzir a dopamina a concentrações perigosas, afetando o sistema cardiovascular. Níveis elevados de dopamina podem elevar a pressão sanguínea e a frequência cardíaca. Em altos níveis, a dopamina está associada à excitabilidade e ao estado de alerta. Níveis excessivos de dopamina têm sido associados à psicose, de forma que reduzi-los pode ser um método desejável para tratar indivíduos com problemas mentais. Uma dieta balanceada é uma das formas saudáveis de se controlar níveis de dopamina, e a intervenção médica, através de tratamentos com prescrição, pode também ser necessária.

Outras pessoas estão lendo

Instruções

    Como reduzir a concentração de dopamina

  1. 1

    Coma a mesma quantidade carboidratos e proteínas. Carboidratos podem reduzir níveis de dopamina, induzindo a um estado mental mais calmo. Alimentos ricos em proteína, como carnes magras e laticínios desnatados, assimilam aminoácidos que regulam a produção de dopamina.

  2. 2

    Coma vegetais ricos em vitaminas para liberar endorfina, contrabalanceando os carboidratos.

  3. 3

    Esteja alerta sobre fatores externos que reduzem a concentração de dopamina, como estresse crônico, deficiência de vitamina B, baixa concentração de ferro e de zinco, deficiência de estrogênio (em mulheres), álcool em excesso, consumo de drogas e resfriados.

  4. 4

    Estimulantes ilegais conhecidos, como anfetaminas, podem induzir à produção de dopamina e piorar os efeitos de dopamina em excesso.

  5. 5

    Consulte um médico que possa prescrever um bloqueador ou inibidor de dopamina em pílula ou em forma injetável. Doses desses bloqueadores podem durar por até seis semanas; eles são designados a terapias complementares para quadros clínicos como psicose, hiperatividade ou distúrbios cardiovasculares.

Não perca

Filtro:
  • Geral
  • Artigos
  • Slides
  • Vídeos
Mostrar:
  • Mais relevantes
  • Mais lidos
  • Mais recentes

Nenhum artigo disponível

Nenhum slide disponível

Nenhum vídeo disponível