Resumo do FASB 52

Escrito por chirantan basu | Traduzido por ellen zanelato
  • Compartilhar
  • Tweetar
  • Compartilhar
  • Pin
  • E-mail
Resumo do FASB 52
FAS 52 (business image by peter Hires Images from Fotolia.com)

Financial Accounting Standards Board (Comitê de Padrões da Contabilidade Financeira) dos decretos dos padrões de contabilidade financeira Nº 52, também conhecido como FAS 52 ou SFAS 52 (ambos em inglês), faz a revisão de contabilidade e requisitos de informação para a conversão de moedas estrangeiras e demonstrativos financeiros. O padrão também se aplica para demonstrativos financeiros de subsidiárias que empresas-mãe incorporam por consolidação ou outros métodos contábeis.

Outras pessoas estão lendo

Escopo

O FAS 52 aplica-se para as transações de conversão de moeda estrangeira e consolidação de decretos financeiros. Também se aplica ao método de equivalência patrimonial, no qual uma empresa com influência significativa sobre uma subsidiária deve incorporar partes proporcionais da renda ou perda da mesma em seus demonstrativos financeiros.

Moeda Funcional

A moeda funcional é a moeda do ambiente de negócios da empresa, como o dólar americano para as empresas americanas ou o iene para as empresas japonesas. A abordagem do FAS 52 envolve a contabilização de todos os elementos de demostrativos financeiros na moeda funcional, usando as taxas de câmbio atuais para a conversão da funcional para a moeda do relatório e avaliando o impacto da variação cambial sobre contas a receber e a pagar.

Conversão

O FAS 52 estabelece padrões para a conversão de moedas estrangeiras para fornecer informações financeiras da moeda funcional e refletem o impacto das mudanças de variação cambial nos fluxos de caixa. Para ativos e passivos, é usada a variação cambial na folha de balanço do dia. Para vendas, despesas e outros itens de declarações de gastos, é utilizada a variação cambial na data da conversão. O FAS 52 permite o uso de médias e outras técnicas de aproximação.

Contratos a prazo

O FAS 52 estabelece guias de contabilidade para transações cambiais estrangeiras de contratos a prazo, que são acordos para realizar o câmbio de moedas em uma data futura com uma taxa de conversão especificada no dia presente, conhecida como taxa a prazo. Com exceção de algumas coberturas, as empresas devem incluir os ganhos e perdas de contratos a prazo no lucro líquido. As empresas devem tratar trocas de moedas e acordos de conversões similares como contratos a prazo.

Divulgações

O FAS 52 requere a divulgação dos ganhos e perdas a partir de conversões e transações de moeda estrangeira nas declarações financeiras ou nas notas complementares. Isto inclui ganhos em opções e outros contratos derivados. As empresas devem incluir também as análises de mudanças nos ajustes acumulativos das conversões de moedas estrangeiras, incluindo os montantes inicial e final e os ajustes de conversões durante o período. A conta dos "outros resultados abrangentes acumulados" contém os ganhos e perdas cumulativos das conversões de moedas estrangeiras.

Não perca

Filtro:
  • Geral
  • Artigos
  • Slides
  • Vídeos
Mostrar:
  • Mais relevantes
  • Mais lidos
  • Mais recentes

Nenhum artigo disponível

Nenhum slide disponível

Nenhum vídeo disponível