Como são retirados os cálculos renais?

Escrito por contributing writer | Traduzido por cesar oliveira
  • Compartilhar
  • Tweetar
  • Compartilhar
  • Pin
  • E-mail
Como são retirados os cálculos renais?
Rim (Stockbyte/Stockbyte/Getty Images)

Outras pessoas estão lendo

Naturalmente

Aproximadamente 85% de todos os cálculos renais são expelidos naturalmente, sem intervenção cirúrgica, nas 72 horas após o primeiro sintoma. Os médicos podem prescrever analgésicos mas, em muitos casos, são indicados remédios contra a dor que não necessitam de prescrição. Os médicos aconselham aumentar o consumo de água e forçar a urina, para que os cálculos expelidos possam ser examinados com o objetivo de se descobrir a causa, ajudando na prevenção de cálculos adicionais. Se o cálculo não for expelido em uma semana, os médicos intervirão normalmente.

Litotripsia extracorpórea por ondas de choque

Os médicos usam a litotripsia extracorpórea com ondas de choque (LEOC) para quebrar os cálculos grandes e possam sair facilmente do corpo. Este método envolve direcionar ondas de choque de alta energia para quebrar o cálculo em pedaços menores. Ou o paciente é colocado sentado em um tanque com água ou um assento d'água é colocado entre o corpo e as ondas de choque para auxiliar na transmissão dessas ondas. Os urologistas recomendam usar esse método para que os cálculos grandes demais saiam, mesmo sendo inferiores a 3 cm. Em consequência da LEOC, a maior parte dos cálculos é reduzida a pó. Depois de submetidos à LEOC, de 65% a 75% dos pacientes não têm mais cálculos renais. Anestesia somente é usada em crianças muito novas que têm dificuldades em se manter quietas durante o procedimento. Um tratamento similar ao LEOC é a litotripsia ultrassônica, que usa ondas sonoras em vez de ondas de choque de alta energia para quebrar os cálculos.

Nefrolitotomia percutânea

Os pacientes que são submetidos à nefrolitotomia percutânea (NLP) recebem anestesia geral. Em seguida, o cirurgião faz uma pequena incisão nos rins e usa um instrumento chamado nefroscópio para quebrar os cálculos em pedaços menores. O cirurgião então remove todos os fragmentos pela a pequena incisão. Este procedimento é usado em pacientes que têm cálculos grandes demais para ser quebrados com a LEOC e em cálculos coraliformes (aparência de coral). Ao contrário da LEOC, os cálculos não são deixados no trato urinário, uma vez que o cirurgião retira todos os fragmentos durante o procedimento.

Retirada uretroscópica de cálculo renal

Se um cálculo estiver alojado na uretra, os cirurgiões deverão removê-lo pelo método uretroscópico. Tanto a litotripsia a laser como a eletro-hidráulica são formas comuns deste método. Na litotripsia a laser, um pequeno aparelho chamado uretroscópio é inserido pela a uretra até chegar ao local do cálculo, e em seguida um laser direcionado é disparado no cálculo. Com a litotripsia eletro-hidráulica, a eletricidade é usada em vez do laser. Nos dois casos, os pacientes são anestesiados e o cálculo é diminuído o suficiente para ser expelido pelo paciente ou retirado pelo cirurgião.

Outros métodos

Se o cálculo for suficientemente grande, os cirurgiões podem decidir pela operação convencional. Um corte é feito nas costas do paciente, assim como nos órgãos internos, usando equipamentos cirúrgicos convencionais, de modo que os médicos possam retirar o cálculo. Este método é usado como último recurso por requerer uma permanência maior no hospital, um longo período de recuperação e por ser o mais invasivo de todos os tratamentos. Caso o cálculo seja muito grande e os outros métodos não funcionem, a cirurgia convencional poderá ser necessária.

Não perca

Filtro:
  • Geral
  • Artigos
  • Slides
  • Vídeos
Mostrar:
  • Mais relevantes
  • Mais lidos
  • Mais recentes

Nenhum artigo disponível

Nenhum slide disponível

Nenhum vídeo disponível