Riscos associados à colonoscopia em idosos

Escrito por christine lebednik | Traduzido por andré schwarz
  • Compartilhar
  • Tweetar
  • Compartilhar
  • Pin
  • E-mail
Riscos associados à colonoscopia em idosos
A colonoscopia serve para detectar câncer de intestino em estágio inicial (Jupiterimages/Photos.com/Getty Images)

É considerado idoso o indivíduo com pelo menos 60 anos e, como geralmente recomenda-se fazer a primeira colonoscopia aos 50 ou 55 anos e repeti-la a cada dez anos, a maioria dos procedimentos é feita em pacientes que são, em tese, idosos. Por isso, deve-se priorizar a atenção aos riscos associados à velhice e saber se a idade aumenta a gravidade e a quantidade dos riscos. Há poucas informações sobre o assunto e o viés presente na comunicação entre médicos e pacientes influi no surgimento de problemas e de complicações na fase preparatória, durante o próprio exame e em seguida, como efeitos colaterais. Alguns riscos aumentam conforme a idade.

Outras pessoas estão lendo

Falhas de comunicação e informação

Os autores do artigo "Risks and Benefits of Colonoscopy for Elderly Patients" ("Riscos e benefícios da colonoscopia em pacientes idosos", em tradução livre) afirmam que não há "volume suficiente de dados para dar base a respostas satisfatórias". Esse é um dos fatores que mais tornam a colonoscopia arriscada.

Com a crença de que a colonoscopia é um procedimento de primordial importância, alguns profissionais realmente se recusam a reconhecer os riscos, embora alguns pacientes, idosos e não idosos, afirmem que os benefícios não compensam os perigos.

São justamente esses problemas de informação e comunicação entre médico e paciente que aumentam os riscos e dificultam uma decisão esclarecida por parte do paciente quanto aos benefícios e malefícios do exame.

Riscos gerais

Os riscos do procedimento, por si só, incluem sangramento, às vezes bastante fortes, perfuração do intestino e reações adversas aos medicamentos utilizados.

Ademais, podem haver também reações adversas às substâncias utilizadas na fase preparatória, como desmaios e sensação de fraqueza, que podem ser potencializadas pelo jejum e pela limpeza intestinal.

A colonoscopia como um procedimento invasivo

Embora os riscos associados a essa prática pareçam pequenos em comparação à importância de uma detecção precoce do câncer intestinal, a colonoscopia é um método invasivo e pode até mesmo provocar a morte, direta ou indiretamente. No entanto, menos de 1% dos pacientes morrem. As fatalidades são geralmente associadas a perfurações do intestino, mas também podem ocorrer devido a uma sensibilidade aos medicamentos e aos produtos utilizados para a limpeza intestinal.

Deve-se pesar os benefícios e os riscos de qualquer procedimento que possa ser fatal de pelo menos duas maneiras diferentes. Como anestesias gerais e sedativos são geralmente aplicados apenas em casos de procedimentos invasivos, ambas as maneiras pelas quais a colonoscopia pode resultar em fatalidades se relacionam à sua invasividade. O histórico médico do paciente pode influenciar seu prognóstico e a probabilidade de passar por um ou mais desses riscos.

Problemas relacionados à idade

Os dados referentes à relação entre a idade e os riscos da colonoscopia são bastante contraditórios. Alguns especialistas afirmam que a idade não torna o procedimento mais perigoso, enquanto outros afirmam que o perigo aumenta ligeiramente. Há, no entanto, aqueles que afirmam que os riscos "aumentam significativamente" para indivíduos com mais de 70 anos. Segundo esses estudiosos, os riscos de sangramentos gastrointestinais e de perfurações podem aumentar em até 75% se os pacientes tiverem entre 80 e 84 anos, em comparação com aqueles com menos de 70 anos. Alguns profissionais sugerem ainda que o risco de reações adversas à limpeza intestinal aumenta em pacientes que já passaram de uma determinada idade, entre os 70 e 85 anos.

Efeitos posteriores em idosos

Uma preocupação pertinente aos idosos é que há evidências de um aumento de ocorrências de efeitos nocivos posteriores. Algumas pesquisas mostram que, embora em pacientes jovens os problemas, incluindo furos, geralmente ocorram durante ou imediatamente após o procedimento, complicações podem ocorrer até 30 dias depois em pacientes mais velhos.

Tendências atuais

Embora não haja consenso entre os especialistas no assunto, há uma tendência a reconsiderar a utilidade da colonoscopia em pacientes mais velhos, pois deve-se levar em conta os riscos cada vez mais evidentes. A U.S. Preventive Task Services Task Force recomenda que os pacientes acima de 85 anos não façam colonoscopias. Outros sugerem ainda que os benefícios diminuem com a idade, ao passo que os riscos aumentam, e que deve-se, portanto, evitar o procedimento já a partir dos 75 anos.

Não perca

Filtro:
  • Geral
  • Artigos
  • Slides
  • Vídeos
Mostrar:
  • Mais relevantes
  • Mais lidos
  • Mais recentes

Nenhum artigo disponível

Nenhum slide disponível

Nenhum vídeo disponível