Os riscos de uma gravidez após uma ablação endometrial

Escrito por michele hamilton | Traduzido por alessandra martins
  • Compartilhar
  • Tweetar
  • Compartilhar
  • Pin
  • E-mail
Os riscos de uma gravidez após uma ablação endometrial
Os riscos de uma gravidez são grandes para quem fez ablação endometrial (Thinkstock/Stockbyte/Getty Images)

A ablação endometrial é um tratamento para sangramento menstrual excessivo. É um procedimento não invasivo que não requer internação. A ablação é uma alternativa de histerectomia para mulheres que não querem se submeter a uma cirurgia mais complexa. A ablação endometrial causa cicatrizes no revestimento uterino. Essas cicatrizes promovem a redução de sangramentos futuros. Muitas mulheres têm bem pouco ou nenhum sangramento após esse procedimento. A ablação endometrial não é recomendada para mulheres que têm preocupação em manter a fertilidade no futuro. A taxa de sucesso da ablação é grande mas não pode ser considerada uma forma adequada de controle de natalidade. Existem riscos severos para a mulher e bebê associados a gravidez após uma ablação .

Outras pessoas estão lendo

Histórico

As mulheres podem optar pela ablação endometrial se sofrem de excessivos sangramentos graves. Muitas mulheres durante esse período ficam anêmicas (sangue pobre em ferro). A anemia causa cansaço extremo e níveis energéticos baixos. O endométrio funciona como um revestimento do útero e é responsável por mantê-lo saudável. De acordo com Women´s health.gov , durante o período menstrual, há um espessamento do endométrio por causa de veias ricas em sangue. Esse fenômeno oferece um ambiente perfeito para a implantação de um óvulo fertilizado. Se o corpo da mulher não possui um ovo fertilizado para implantação, o revestimento endometrial do útero irá descamar. Essa descamação inicia o período menstrual. Esse processo ocorre de forma cíclica a cada 28 dias. A ablação irá destruir o tecido endometrial que é responsável pelo sangramento menstrual.

Importância

A gravidez ocorre uma vez que o óvulo fertilizado se implanta no revestimento endometrial do útero. A placenta começa a se desenvolver quando implantada no endométrio. A placenta é o único meio para nutrição e oxigenação do feto. A placenta precisa de um revestimento endometrial saudável e enriquecido com sangue para o crescimento e desenvolvimento adequado do feto. A partir do momento que na ablação o revestimento endometrial é destruído, não poderá haver o crescimento de um revestimento saudável para a gestação.

Efeitos na gravidez

Após a ablação, o endométrio é removido ou destruído tornando-se incapaz de oferecer nutrientes, oxigênio e um ambiente seguro para o feto. A gravidez não vai adiante sem um revestimento endometrial viável. Há uma chance de engravidar de 0,7% depois da destruição do endométrio de acordo com estudos de vários Departamentos de Ginecologia e Obstetrícia. A mulher deve conversar sobre todas as alternativas disponíveis para o sangramento menstrual excessivo. Se houver alguma preocupação ou desejo de engravidar no futuro, os profissionais da área médica não irão recomendar a ablação.

Advertências

Pesquisas do Departamento de Ginecologia e Obstetrícia da Universidade de Michigan têm documentado a raridade de fetos que sobreviveram até o parto. Há um caso documentado de uma gestação bem sucedida de 35 semanas em 2004. Um estudo no Reino Unido documentou 70 gestações que ocorreram após a ablação endometrial. Dessas gestações, 33% resultaram em parto, porém com várias complicações. O parto prematuro ocorreu em 42% das pacientes. Partos difíceis foram relatados devido a placenta e recém nascidos estarem em uma posição difícil para o parto normal. A má apresentação resultou num grande número de partos por cesariana. Dificuldades com a adesão da placenta à parede uterina dificultando o parto resultaram em 26% dos casos. Houve uma taxa de mortalidade fetal de 12,9%. A maioria das perdas fetais ocorreram por problemas no cordão umbilical ou placenta.

Visão de um especialista

O Dr. Paul D Indman da Ginecologia Avançada da Califórnia é bastante reconhecido pelos estudos e tratamento das ablações uterinas. Ele relatou que a ablação endometrial ganhou popularidade como um tratamento alternativo para histerectomia utilizada para tratamento de sangramento menstrual excessivo. A gravidez após a ablação endometrial é rara mas ainda possível. Riscos de complicações têm sido documentados. Os médicos devem aconselhar seus pacientes apropriadamente sobre a importância da prevenção da gravidez após a ablação endometrial. Os riscos de complicações durante a gravidez também devem ser discutidos.

Não perca

Filtro:
  • Geral
  • Artigos
  • Slides
  • Vídeos
Mostrar:
  • Mais relevantes
  • Mais lidos
  • Mais recentes

Nenhum artigo disponível

Nenhum slide disponível

Nenhum vídeo disponível