Semelhanças entre musgos e samambaias

Escrito por mary osborne | Traduzido por angela spada
  • Compartilhar
  • Tweetar
  • Compartilhar
  • Pin
  • E-mail
Semelhanças entre musgos e samambaias
Os esporófitos produzidos pelos musgos e samambaias contêm cromossomos necessários para a reprodução (Ryan McVay/Digital Vision/Getty Images)

Um passeio através de uma floresta fria e sombria nos revela tanto samambaias como musgos, que quase sempre florescem lado a lado. As samambaias possuem um sistema vascular que transporta alimento, água e minerais para as partes superiores através de raízes semelhantes a pelos. Os musgos não têm raízes verdadeiras nem um sistema vascular. Em vez disso, absorvem água e minerais do solo onde crescem. Apesar das significativas diferenças, musgos e samambaias compartilham algumas surpreendentes semelhanças que os beneficiam há eras.

Outras pessoas estão lendo

Hábitats compartilhados

Os musgos, como o esfagno, e as samambaias em geral gostam de habitats frios, úmidos e sombreados. O Dr. Bruce E. Fleury do Departamento de Ecologia e Biologia Evolucionária da Universidade de Tulane, nos Estados Unidos, afirma em que não existem musgos no deserto, eles crescem em abundância nas regiões árticas do mundo. As samambaias também prosperam e se reproduzem em habitats úmidos, mas podem tolerar condições mais secas, pois suas raízes extraem água e minerais do solo. Ambas são plantas primitivas que precisam de um ambiente úmido para se reproduzir.

Adaptações para a vida na terra

Embora as samambaias estejam mais avançadas na via evolutiva que os musgos, ambos são plantas primitivas que provavelmente evoluíram a partir de algas. Com estruturas muito mais simples, os musgos no entanto sobreviveram com êxito na terra, mesmo sem raízes como as plantas verdadeiras. Nem as samambaias, nem os musgos produzem sementes, mas dependem dos esporos que acabam gerando espermatozoides e óvulos.

Lançando esporos

Como não produzem sementes, os musgos e as samambaias devem contar com os esporos lançados no solo para manter o ciclo reprodutivo. Em geral, os esporos se deslocam grandes distâncias antes de assentar. Um tapete rasteiro ou camada de musgos emite periodicamente brotos ou pedúnculos que contêm um único esporo no ápice. O esporo é levado para longe pelo vento, chuva ou outra perturbação atmosférica. Os esporos de samambaia, chamados esporângios, salpicam a face interna de uma fronde completamente formada e não enrolada. Uma pequena e explosiva eclosão libera os esporos quando prontos, e como no caso dos musgos, eles caem ou são levados pelo vento.

Espermatozoide móvel

Depois de ocorrer o lançamento dos esporos, estes germinam e plantam células sexuais de um gametófito geralmente semelhantes a uma "placa celular em forma de coração", segundo o site HomeSchool Online UK. O espermatozoide, seja de musgos ou de samambaias, precisa de um ambiente aquoso para nadar em direção ao óvulo. Depois de ocorrer a fertilização, surgem minúsculas réplicas de plantas, e o ciclo continua.

Não perca

Filtro:
  • Geral
  • Artigos
  • Slides
  • Vídeos
Mostrar:
  • Mais relevantes
  • Mais lidos
  • Mais recentes

Nenhum artigo disponível

Nenhum slide disponível

Nenhum vídeo disponível