Sobre os testes de função hepática para dengue

Escrito por carla boulianne | Traduzido por joão melo
  • Compartilhar
  • Tweetar
  • Compartilhar
  • Pin
  • E-mail
Sobre os testes de função hepática para dengue
Sobre os testes de função hepática para dengue (Stockbyte/Stockbyte/Getty Images)

A dengue é uma doença infecciosa transmitida por mosquitos, endêmica em regiões tropicais úmidas. Os casos mais graves resultam em febre hemorrágica, permeabilidade vascular, insuficiência hepática e possível morte. O diagnóstico diferencial da dengue inclui o exame das erupções cutâneas, febre, sinais de hemorragia e permeabilidade vascular e análise clínica de amostras de sangue para hemograma completo, albumina e testes de função hepática. Este artigo explora o uso de testes de função hepática no diagnóstico da dengue.

Outras pessoas estão lendo

Significado

A dengue é endêmica no sudeste da Ásia, África, Pacífico e regiões tropicais das Américas. Há entre 50 e 100 milhões de casos anuais de infecção em todo o mundo, com várias centenas de milhares manifestando-se como febre hemorrágica da dengue (FHD). A forma hemorrágica é fatal em 5% dos pacientes. Entre 100 e 200 casos de dengue que ocorrem nos Estados Unidos a cada ano associam-se a viajantes para áreas endêmicas.

Identificação

Os testes de função hepática são uma ferramenta para o diagnóstico da dengue. Pacientes com febre, sintomas de gripe, dor de cabeça, dor ocular e erupção cutânea em áreas de endemicidade para dengue devem fazer um hemograma completo, incluindo um teste de função hepática. Os médicos também devem considerar a doença em pacientes com história de viagem recente a regiões endêmicas. O exame físico pode revelar um aumento do fígado (de 2 a 4 cm abaixo da margem costal), que ocorre mais frequentemente em casos graves de síndrome do choque por dengue.

Função

Os testes de função hepática medem os níveis de bilirrubina, amônia e enzimas presentes em amostras de sangue de doentes. Resultados elevados não são específicos para dengue; a sorologia e o isolamento viral fornecem a confirmação definitiva da infecção. A bilirrubina é um produto da degradação da hemoglobina e ocasiona o pigmento distinto da bile do fígado. Níveis aumentados de bilirrubina não conjugada indicam disfunção hepática relacionada com doença de fígado ou infecção, em vez de obstrução. O aumento dos níveis de bilirrubina podem apresentar-se clinicamente como icterícia. A icterícia está raramente presente em pacientes com dengue. A amônia é normalmente convertida em ureia pelo fígado antes da excreção na urina. Níveis elevados indicam uma função hepática comprometida. A elevação das enzimas hepáticas, tais como aspartato aminotransferase (AST), fosfatase alcalina (ALP ) e gama-glutamil transferase ( GGT), também indica insuficiência hepática. Os resultados elevados dos testes hepáticos podem indicar um número de doenças e infecções agudas e crônicas , incluindo cirrose, mononucleose , hepatite e doenças cardíacas. Por esta razão, a interpretação dos resultados deve levar o quadro clínico completo em consideração.

Características

Os pacientes com dengue vão apresentar resultados elevados em testes de função hepática. Esses exames detectam níveis elevados das enzimas aspartato aminotransferase (AST), alanina aminotransferase (ALT) e gama-glutamil-transpeptidase (GGT) na maioria dos pacientes com febre da dengue. Uma pequena proporção de indivíduos com o quadro também apresenta níveis elevados de bilirrubina e fosfatase alcalina. A elevação de ALT e AST é geralmente ligeira a moderada na maioria dos pacientes com dengue, mas pode ser mais do que uma magnitude maior do que os limites superiores normais. Limites mais elevados são frequentemente associados com manifestações hemorrágicas. As taxas de AST são geralmente mais altas do que as de AST. Os níveis de enzimas hepáticas geralmente atingem o pico no dia 9 da dengue e retornam aos limites normais dentro de 2 semanas após o início da doença.

Aviso

Os resultados dos testes de função hepática para a dengue não diferem significativamente dos obtidos para hepatite B e C; a coinfecção também é uma possibilidade distinta. Ao considerar o diagnóstico de hepatite viral em um paciente de uma região com dengue endêmica, considere a dengue como agente causador de resultados elevados dos testes de função hepática.

Não perca

Filtro:
  • Geral
  • Artigos
  • Slides
  • Vídeos
Mostrar:
  • Mais relevantes
  • Mais lidos
  • Mais recentes

Nenhum artigo disponível

Nenhum slide disponível

Nenhum vídeo disponível