×
Loading ...

Superstições e crendices brasileiras mais populares

Getty Images

Introdução

Superstições geralmente surgem de pensamentos religiosos baseados no temor ou desconhecimento. Existem desde que o mundo é mundo, criadas numa época em que os humanos não dispunham do conhecimento científico que têm atualmente. Histórias, muitas vezes recheadas de magia, eram passadas de geração em geração para explicar o funcionamento do mundo. Assim, foram desenvolvidos rituais que persistem até hoje. Por mais que muitas dessas superstições sejam comuns em vários países, como o azar que traz cruzar com um gato preto na rua ou a tão temida sexta-feira 13, algumas crendices são características do Brasil. Confira algumas delas e suas origens.

Ablestock.com/AbleStock.com/Getty Images

Gato preto

A ideia de que cruzar com um gato preto na rua dá azar vem desde a Idade Média. Naquela época, os felinos eram associados à bruxaria e rituais demoníacos por serem animais tipicamente noturnos. O fato de serem pretos os tornava piores ainda já que essa era a cor das trevas. Os coitados dos gatos chegaram a entrar na lista do Papa Inocêncio 8 (1432-1492) de perseguidos pela Inquisição, muito provavelmente por terem sido, desde sempre, importantes símbolos pagãos.

Stockbyte/Stockbyte/Getty Images

Sexta-feira 13

A superstição desse dia é tão grande que já rendeu até uma franquia de filmes de terror com 12 longas. A lenda conta que Friga, deusa do amor e da beleza das tribos da Escandinávia, foi transformada em bruxa e isolada no alto de uma montanha quando os povos da região foram convertidos ao cristianismo. Friga teria ficado tão irritada com seu destino que, todas as sextas-feiras, se reunia com outras 11 bruxas e, junto com o demônio, rogavam pragas sobre a terra.

Thinkstock Images/Comstock/Getty Images

Quebrar um espelho

Tradicionalmente, os espelhos são interpretados como reflexos da alma dos seres humanos. Talvez, por isso que se acredita ser impossível ver o reflexo dos vampiros, já que não possuem alma. A crença de que quebrar um espelho traria sete anos de azar surgiu dessa conexão. Ao quebrar, a alma estaria sendo rompida também e os sete anos seria o tempo necessário para que ela conseguisse se regenerar.

Hemera Technologies/AbleStock.com/Getty Images

Santo Antônio

Quem nunca pediu para Santo Antônio que arranjasse um namorado ou marido para si ou para conhecidas amigas solteiras? Bastante difundida no Brasil, a crença de que Santo Antônio é o santo casamenteiro já rendeu várias superstições engraçadas. Diz a lenda que para arranjar um namorado é preciso comprar uma imagem do santo e colocar de cabeça para baixo em um copo d’água. Segundo a crença popular, só se deve colocar o santo de volta em pé depois de ter conseguido o tão sonhado amado.

Hemera Technologies/AbleStock.com/Getty Images

Ferradura

Como muitas superstições, a ideia de que ter uma ferradura na porta da casa traria boa sorte surgiu de mitos da antiga Grécia. Acreditavam que o ferro, matéria-prima da ferradura, protegia contra poderes do mal. Além disso, o formato de meia lua simbolizava fertilidade e prosperidade. Segundo escreve Câmara Cascudo, no livro “Superstições no Brasil”, na segunda metade do século 19, surgiu no País a crença de que uma ferradura protegeria contra o mau-olhado e atrairia sorte.

John Foxx/Stockbyte/Getty Images

Trevo de quatro folhas

Esta é uma superstição totalmente universal. Quem nunca ficou procurando um trevo de quatro folhas pelos jardins acreditando que a sorte estava logo ali? Estas plantinhas delicadas e graciosas são bastante raras, por isso a crença de que achar uma traz sorte. O mais comum é encontrar a versão com apenas três folhas, mas o sortudo que encontra o raminho com as quatro folhas certamente o guarda na carteira para garantir a sorte prometida.

Thinkstock Images/Comstock/Getty Images

Bater na madeira

“Bate na madeira.” Todos, em algum momento de suas vidas, já falaram essas palavras para alguém. O ritual é necessário para evitar que algo que tenha sido dito aconteça ou seja interpretado da maneira incorreta. A origem desta superstição está no fato de os povos antigos acreditarem que os deuses moravam dentro das árvores. Quando se sentiam culpados por algo que tinham dito, eles batiam nos troncos como uma forma de pedir desculpas com os seres divinos.

Jupiterimages/Photos.com/Getty Images

Dizer "saúde" após espirro

Repleta de significação religiosa, a tradição de desejar “saúde” a alguém que acaba de espirrar é tão antiga que não há apenas uma versão de como tenha surgido. Para alguns, havia a crença de que a alma pudesse escapar pelo nariz ao espirrar. Já para outros, o demônio poderia entrar na pessoa que estivesse espirrando. Em ambos os casos, desejar “saúde” à pessoa protegia. Por fim, acreditavam que, no momento do espirro, o coração parava de bater e a palavra “saúde” traria de volta a pessoa à vida.

rofi's photostream Flickr

Nhoque da sorte

Todo dia 29 do mês é dia de comer nhoque. Essa massa típica da Itália, geralmente feita à base de farinha e batata, é saboreada nessa ocasião para trazer sorte nas quatro semanas seguintes. A tradição foi criada a partir da lenda de um frade andarilho que teria batido na casa de um casal de velhinhos, num dia 29 qualquer, pedindo comida. A refeição do dia, casualmente, era nhoque. Algum tempo depois, o frade retornou à casa dos velhinhos e contou que aquele prato de comida havia mudado sua vida para melhor.

Zedcor Wholly Owned/PhotoObjects.net/Getty Images

Semente de romã

A virada do ano novo é recheada de superstições e rituais que prometem trazer sorte, saúde e dinheiro no ano que está chegando. Originalmente cultivada no sul da Ásia, a romã é uma fruta que sempre foi associada à riqueza. No Brasil, foi criada a crença de que, ao comer sete sementes e guardar os caroços dentro da carteira durante o ano seguinte inteiro, a pessoa será presenteada com muito dinheiro e prosperidade.