Mais
×

Como as tartarugas respiram durante a hibernação

Atualizado em 17 abril, 2017

As tartarugas, pertencentes à família dos répteis, possuem um sistema metabólico de sangue frio. Esse sistema requer uma fonte externa de calor que providencie a energia para movimentos e o sustento da vida propriamente dita. Com a aproximação do inverno, tartarugas do tipo aquático podem não sobreviver às temperaturas gélidas, entrando assim no modo de hibernação. Uma vez que não podem migrar para escapar das adversidades climáticas (como os pássaros), elas se autosubmergem em lagos e lagoas para esperar que o clima esquente novamente. As tartarugas acharam uma maneira para respirar embaixo d'água e sobreviver durante a hibernação.

As tartarugas se movem durante a hibernação, mas fazem isso muito devagar (Photos.com/Photos.com/Getty Images)

Tempo do ciclo de hibernação

Durante o inverno, quase todas as tartarugas aquáticas hibernam, completa ou esporadicamente. Isso pode durar quase quatro meses. Elas procuram abrigo perto do início do outono. Algumas espécies, como as almiscaradas, as aligators e as de casco-mole, começam a hibernação em outubro. Esse início depende do clima ou da chegada antecipadada do inverno, com mudanças bruscas de temperatura.

Taxa metabólica

Esses répteis possuem um metabolismo normal, que funciona 10 vezes mais devagar que os mamíferos de sangue quente do mesmo tamanho. Durante os meses de inverno, esse metabolismo diminuirá de 10% a 20%. Já no verão, o ritmo cardíaco é de 40 batidas por minuto. Na hibernação, tal ritmo diminui para uma batida a cada 10 minutos.

Temperatura de sobrevivência

As tartarugas procuram os fundos dos lagos, riachos e lagoas, onde uma típica camada de gelo se forma na superfície, impedindo a saída da água. Esses animais podem sobreviver a uma temperatura que não caia abaixo de -2º C. Nos lagos, a zona de segurança de um microclima típico existe, alcançando e mantendo, aproximadamente, 3º C. Ali, esses répteis procuram por oxigênio e permanecem até que a primavera traga um clima mais quente.

Absorção de oxigênio

As tartarugas possuem pulmões, mas não podem usá-los embaixo d'água. Além disso, elas não têm guelras para absorver o oxigênio. Contudo, contam com a garganta e a boca, especialmente projetadas e com tecidos especiais que absorvem as moléculas da substância em pequenos vasos capilares. Entretanto, isso não gera uma completa oxigenação. Um par adicional de sacos de tecidos finos, próximo ao ânus, absorve e dissolve pequenas quantidades de oxigênio. A garganta e a boca, em conjunção com esses sacos anais, criam uma espécie de bomba que é responsável pela ingestão de oxigênio em ambos lados do corpo e pela distribuição.

Eliminação tóxica

Quando a tartaruga absorve o oxigênio pela garganta e sacos anais, grandes quantidades de dióxido de carbono e ácido lático podem se acumular no corpo. Elas não podem expirar para liberar tais substâncias. No entanto, seus cascos emitem sais de cálcio, que penetram na corrente sanguínea e neutralizam os gases químicos e tóxicos.

Cite this Article A tool to create a citation to reference this article Cite this Article