Mais
×

O tratamento com testosterona pode restaurar a fertilidade nos homens?

O hipogonadismo ou nível de testosterona cronicamente baixo, é uma das principais causas de infertilidade masculina. De acordo com um relatório em conjunto da Dulaney Foundation e a Review of Endocrinology, estima-se que 13 milhões de homens nos Estados Unidos são afetados por hipogonadismo, no entanto, menos de 10 destes realmente procuram o tratamento para o transtorno. Nos últimos anos, os médicos têm feito experiências com suplementação de testosterona para restaurar a fertilidade masculina.

Homens com baixos níveis de testosterona se esforçam para conceber (Image by Flickr.com, courtesy of Daniel Lobo)

Um hormônio essencial

A testosterona é um hormônio importante nos homens. Níveis inadequados desse hormônio causam disfunção eréctil, contagem baixa de esperma e outros problemas associados com a infertilidade masculina.

Suplementação de testosterona

Os médicos podem receitar suplementos de testosterona na forma de injeções, adesivos, comprimidos, ou géis, dependendo da gravidade da deficiência

Efeitos colaterais

Os possíveis efeitos colaterais da suplementação de testosterona em homens incluem aumento do peito, apneia do sono e irritação da aplicação de gel ou adesivo na pele

Redução da contagem de esperma

Infelizmente, enquanto a suplementação de testosterona pode ajudar a atingir e manter uma ereção e melhorar outras barreiras físicas para a concepção, o Dr. Paul Turek relata que na verdade, a contagem de esperma zerada ocorre em noventa por cento dos pacientes dentro de 10 semanas após o começo da terapia.

Uma combinação de técnicas

Tendo em conta o efeito colateral da contagem baixa de esperma, outros tratamentos são muitas vezes necessários para que homens com hipogonadismo possam reproduzir. As tecnologias de reprodução assistida (TRA), tais como a inseminação artificial e fertilização in vitro, podem ignorar as complicações associadas à contagem baixa de esperma.

Cite this Article A tool to create a citation to reference this article Cite this Article