Três maneiras que os anfíbios realizam a troca gasosa

Escrito por lauren whitney | Traduzido por alisson dantas
  • Compartilhar
  • Tweetar
  • Compartilhar
  • Pin
  • E-mail
Três maneiras que os anfíbios realizam a troca gasosa
Sapos das árvores respiram através da pele (Jupiterimages/liquidlibrary/Getty Images)

Anfíbios são os vertebrados terrestres mais antigos e apareceram pela primeira vez cerca de 400 milhões de anos atrás durante o período Devoniano. A classe Amphibia inclui rãs, sapos, tritões, salamandras e cecílias. O nome "anfíbio" descreve animais capazes de prosperarem na água e em terra. Embora muitas espécies sejam terrestres, os anfíbios necessitam de um ambiente úmido para se reproduzir: seus ovos não possuem casca e secam em ambientes mais áridos.

Outras pessoas estão lendo

Troca de gases

Todos os animais precisam de oxigênio para viver. Eles precisam de um meio de captar o oxigênio da água ou do ar ao redor e liberar subprodutos respiratórios, incluindo o dióxido de carbono. Mamíferos e répteis fazem isso com os pulmões, mas os anfíbios dependem de uma combinação das trocas gasosas através dos pulmões, brânquias e pele. Nem todos os anfíbios têm todos os três meios de troca gasosa durante seu ciclo de vida. Espécies que raramente deixam a água podem manter suas brânquias, enquanto espécies arbóreas normalmente perdem as deles à medida que amadurecem.

Guelras

A maioria dos anfíbios começa a vida com brânquias — estruturas altamente vascularizadas que facilitam a troca gasosa. As rãs e sapos eclodem na água como girinos — criaturas com cauda e sem membros que precisam de um meio aquoso para viver. Sua principal troca gasosa é por via de guelras internas primitivas. Quando seus membros brotam, eles perdem suas caudas e crescem até suas formas adultas, suas guelras fecham enquanto seus pulmões se desenvolvem. Anfíbios aquáticos, como as espécies axolote e certas espécies de salamandra, mantêm suas guelras na idade adulta. Algumas espécies têm penas chamativas, como "cocares", que são, na verdade, brânquias externas para captar oxigênio da água em volta.

Três maneiras que os anfíbios realizam a troca gasosa
As brânquias externas ajudam uma salamandra aquática a respirar (Hemera Technologies/AbleStock.com/Getty Images)

Pele

Os anfíbios também podem respirar através da pele, que é suave e fina. Enquanto esta habilidade ajuda esses animais a prosperar na água e na terra, ela também os coloca em risco de se sufocarem, caso o ambiente úmido se torne muito seco. Tecidos ressecados não permitem a transferência de oxigênio e dióxido de carbono. A pele úmida e permeável dos anfíbios também os deixa vulneráveis às toxinas do ambiente. Pesquisadores estudam as populações de anfíbios como bioindicadores de perturbação ambiental, pois essas criaturas estão muito suscetíveis à mudanças.

Três maneiras que os anfíbios realizam a troca gasosa
Mesmo em terra anfíbios precisam de um ambiente úmido (Jupiterimages/Photos.com/Getty Images)

Pulmões

Anfíbios adultos geralmente dependem de pulmões para troca de gases, embora eles nunca percam a permeabilidade da sua pele. Ao contrário dos mamíferos que usam um diafragma para puxar o ar para os pulmões através da diminuição da pressão, os anfíbios forçam o ar para seus pulmões através da boca. Os pulmões dos anfíbios contêm menos alvéolos ou sacos de ar, do que os pulmões de criaturas que evoluíram depois deles, como répteis e mamíferos.

Três maneiras que os anfíbios realizam a troca gasosa
Rãs e sapos usam suas bocas para ventilar os pulmões e para se exibirem (Jupiterimages/Photos.com/Getty Images)

Não perca

Filtro:
  • Geral
  • Artigos
  • Slides
  • Vídeos
Mostrar:
  • Mais relevantes
  • Mais lidos
  • Mais recentes

Nenhum artigo disponível

Nenhum slide disponível

Nenhum vídeo disponível