Mais
×

Títulos e fatos que marcaram a história do estádio do Maracanã

Getty Images

Introdução

Está localizado no Brasil um dos maiores símbolos do futebol do planeta. Inaugurado em 1950, no Rio de Janeiro, o estádio municipal Jornalista Mário Filho recebeu esse nome em homenagem ao homem que mais incentivou a sua construção. No entanto, ele é mais conhecido pelo nome do bairro onde foi construído: Maracanã. Concebido para a Copa do Mundo de 1950, foi o palco de grandes momentos do futebol mundial. Testemunhou exibições espetaculares de super craques e fabulosos escretes. Mas também foi local de grandes confusões, brigas homéricas e até mesmo acidentes trágicos. Conheça alguns dos maiores momentos da história desse templo do esporte: o Estádio do Maracanã.

AFP/Getty Images

A Copa de 1950

O estádio do Maracanã foi construído especialmente para abrigar a Copa de 1950. A expectativa para sediar o torneio foi grande e, por isso, não foram poupados esforços para construir o maior estádio do mundo. Com capacidade oficial superior a 150 mil pessoas, o "Maraca" recebeu um grande público em todos os jogos da seleção brasileira na competição. Na última partida, foi obtido o recorde que jamais será superado: 199 mil pessoas assistiram ao jogo entre Brasil x Uruguai, que apontaria o campeão daquele ano. Infelizmente, o time de Zizinho, Ademir e Danilo foi derrotado por 2 a 1.

Reprodução

A Taça Rio

A frustração com a derrota na Copa de 1950 não impediu que os brasileiros voltassem a organizar torneios internacionais em seu território. Logo no ano seguinte, foi organizada a Copa Rio, com jogos na Cidade Maravilhosa e também em São Paulo. O torneio reuniu os campeões paulista (Palmeiras) e carioca (Vasco), além dos representantes do Uruguai, Itália, Iugoslávia, França, Áustria e Portugal. A grande final se deu entre a equipe palmeirense e os italianos da Juventus. Com uma vitória por 1 a 0 e um empate em 2 a 2, o alviverde se sagrou o primeiro campeão internacional interclubes da história.

Arquivo

O grande show de Garrincha

Um dos maiores jogadores da história, o ponta-direita Garrincha viveu em 1962 seu melhor momento. Liderou a seleção brasileira, desfalcada de Pelé, para conquistar a Copa do Mundo no Chile. Mas ele ainda mostraria muito mais na final do campeonato carioca. Em partida contra o Flamengo, o atacante do Botafogo fez chover: marcou dois golaços e ainda participou da jogada de mais um, que resultou em um gol contra do time rubro-negro. Ao fim da partida, as jogadas antológicas foram premiadas com a gratidão da torcida, que invadiu o campo e o carregou em triunfo. Foi uma das maiores atuações individuais da história do Maracanã.

Arquivo

Santos bicampeão mundial

O ano era 1963 e mais uma vez o Maracanã era palco de uma disputa internacional. Dessa vez, entre o Santos, vencedor da Taça Libertadores da América, e o Milan, que conquistara a Copa dos Campeões da Europa. A primeira partida, em Milão, terminou com vitória para os donos da casa por 4 a 2. Os santistas venceram a partida seguinte, no Maracanã, pelo mesmo placar. O jogo de desempate ocorreu em 16 de novembro, também no Maraca. Em meio a muita violência de ambos os lados, o Santos venceu por 1 a 0, com Dalmo marcando de pênalti. Donos do mundo, mais uma vez!

Reprodução

A grande batalha de 1966

A final do Carioca de 1966, entre Flamengo e Bangu, parecia ser uma entre tantas. No entanto, uma série de fatores tornou esse jogo histórico. Além de vários atletas dos dois times jogarem dopados, havia ainda a suspeita de que o juiz fora subornado pelos dirigentes do Bangu. Para completar, o jogo contava com a presença de Almir Pernambuquinho, o genial e genioso atacante flamenguista. Dono de um temperamento indomável, ele entrou em todas as divididas com violência e arrumou várias confusões. No fim do jogo, deu início a uma pancadaria, que acabou envolvendo todos os jogadores, em uma das maiores brigas da história do estádio.

Reprodução

O gol mil de Pelé

Em 1969, Pelé já havia conquistado quase tudo no futebol. No entanto, o maior jogador de todos os tempos precisava alcançar um grande marco: o seu milésimo gol. Os dirigentes do Santos chegaram a organizar uma excursão ao Nordeste, para explorar a possibilidade de ali chegar ao momento tão esperado. Mas coube ao estádio do Maracanã a honraria de receber o evento. A partida seria entre o alvinegro praiano e o Vasco da Gama, em partida válida pelo Torneio Roberto Gomes Pedrosa, precursor do atual Brasileirão. Em cobrança de pênalti, o atacante superou o goleiro Andrada e, mais uma vez, entrou para a história do futebol.

Arquivo

O primeiro grande título do Flamengo

O Flamengo, clube de maior torcida do Brasil, sempre se destacou pelos grandes craques e times insuperáveis. Mesmo assim, nunca havia obtido nenhum título de grande relevância nacional até os anos 1970. Nessa época, montou uma equipe fortíssima, com o lateral Júnior, o volante Andrade, o meia Adílio e, principalmente, Zico, conhecido como o Galinho de Quintino. Em 1980, chegaram à final contra o Atlético Mineiro. O time visitante vencera a primeira partida em Belo Horizonte e precisava apenas de um empate. Mas os rubro-negros venceram por 3 a 2, com uma atuação inspirada do centroavante Nunes, diante de 154 mil fanáticos torcedores.

Arquivo

A tragédia de 1992

Doze anos após conquistar seu primeiro título brasileiro, o Flamengo conquistaria o pentacampeonato, jogando novamente no Maracanã. No entanto, a festa seria ofuscada por uma tragédia: pouco antes da partida decisiva, contra o Botafogo, as grades que protegiam os torcedores na arquibancada cederam. Centenas de pessoas caíram de uma altura de aproximadamente cinco metros. Quatro torcedores morreram e dezenas ficaram feridos. Após o acidente, o Maraca foi interditado por sete meses para reformas. Ao ser reaberto, teve sua capacidade máxima reduzida para 120 mil pessoas, público oficial no fatídico dia. No entanto, nunca mais o estádio receberia um público tão grande.

Jeff Gross/Getty Images Sport/Getty Images

Os jogos Pan-Americanos

A cidade do Rio de Janeiro foi a escolhida para, em 2007, sediar os Jogos Pan-Americanos. E, evidentemente, o maior palco do futebol mundial não poderia ficar de fora. O Maracanã passou por uma ampla reforma dois anos antes para receber o grande evento. A partir de então, o estádio começou a sofrer mudanças que o descaracterizariam. A mais impactante foi a destruição da geral, setor popular onde os torcedores assistiam aos jogos em pé, muito próximo do gramado. O local recebeu as partidas de futebol masculino e feminino, além das cerimônias de abertura e encerramento. A capacidade total foi reduzida para 87 mil espectadores.

Ronald Martinez/Getty Images Sport/Getty Images

Morte ou renascimento?

As profundas mudanças pelas quais passou o Maracanã para o Pan-Americano não seriam os últimos, tampouco os maiores. Quando o Brasil foi escolhido para receber a Copa de 2014, o estádio foi escolhido para receber a final. Para isso, passou por uma reforma bilionária, que reduziu ainda mais sua capacidade, que agora é de apenas 76 mil pessoas. Totalmente restaurado, atende a todas as exigências da Fifa e impressiona pela sua modernidade e conforto. No entanto, muito da antiga mística se perdeu. O estádio em nada lembra o velho templo do futebol, que tantas glórias e tragédias testemunhou. O estádio ainda receberá os Jogos Olímpicos em 2016.