As vantagens das técnicas de coloração

Escrito por david stewart | Traduzido por karine neumann
As vantagens das técnicas de coloração
A técnica de coloração ajuda a melhorar a visualização das bactérias (Duncan Smith/Stockbyte/Getty Images)

Os microbiologistas estudam as características dos micro-organismos, tais como algas, bactérias, protozoários, fungos e vírus, utilizando um microscópio. Embora alguns organismos, tais como protozoários e células de levedura sejam fáceis de observar através de lâminas, as células bacterianas exigem coloração. Os cientistas desenvolveram vários métodos, tais como a técnica de coloração de Gram, coloração ácido-resistente e coloração fluorescente para melhorar a visualização das células bacterianas e das estruturas celulares. Usando tais métodos de coloração, é possível identificar as características estruturais que ajudam a classificar as bactérias.

Visualização melhor

Os organismos bacterianos são tão pequenos que a maioria deles são visíveis apenas no microscópio com um poder de ampliação de 1000 vezes. No entanto, o simples aumento de tamanho não proporciona um grau suficiente de clareza, de modo que as bactérias devem, portanto, ser coloridas antes da observação para fornecer a clareza necessária para a visualização.

Identificação e classificação

A coloração de bactérias para distinguir entre os tipos de bactérias é conhecida como coloração diferencial. A coloração de Gram é uma coloração diferencial que distingue as bactérias em função do teor de parede celular. Nesse método, as células bacterianas reagem com um corante violeta cristal para ficarem com a cor violeta. Por meio da adição de um agente de descoloração algumas células bacterianas perdem a cor, enquanto outras não. Por meio da adição de corante safranina, as células descoloridas adquirem a coloração vermelha, enquanto as células bacterianas que não perdem cor permanecem violeta. As células que ficam com a cor vermelha são chamadas de organismos gram-negativos e as que não ficam vermelhas são classificadas como organismos gram-positivos. A técnica de coloração de Gram proporciona um método rápido para a identificação inicial de bactérias envolvidas em infecções. Do mesmo modo, o processo de coloração ácido-resistente ajuda a identificar especificamente organismos pertencentes à classe das bactérias chamadas micobactérias, tais como a Mycobacterium tuberculosis.

Detecção de viabilidade

Em amostras de culturas bacterianas, muitas vezes é importante detectar a presença de células bacterianas vivas. Os métodos como a coloração fluorescente ajudam a identificar se as células de cultura são viáveis ​​ou não. As bactérias vivas têm a capacidade de converter o tetrazólio cloreto 5-ciano-2,3-ditolyl (CTC) em um corante que mostre uma fluorescência vermelha. Portanto, quando as culturas coloridas com CTC emitem essas fluorescências, isso indica a presença de bactérias viáveis. O iodeto de propídio é uma coloração que age apenas com células não-vivas que possuem membranas danificadas e, portanto, é útil na identificação de células bacterianas mortas.

Identificação de estruturas celulares

A coloração fornece um método de visualização clara de várias estruturas celulares. Por exemplo, o método de coloração Feulgen permite a identificação do núcleo no interior das células bacterianas, enquanto a coloração de Albert é útil na visualização de grânulos metacromáticos. Da mesma forma, a técnica de impregnação pela prata permite a identificação de espiroquetas. Os flagelos são fáceis de observar quando são coloridos com a coloração de Ryu. A coloração com verde malaquita ajuda a identificar os esporos bacterianos.