O que são as variáveis ​​dependentes e independentes que os cientistas utilizam?

Escrito por jason thompson | Traduzido por samuel silva
  • Compartilhar
  • Tweetar
  • Compartilhar
  • E-mail

O método científico é um meio de investigar o mundo natural através da experimentação. Uma hipótese é um palpite, concebido para explicar algo sobre o mundo natural. Uma experiência é uma investigação controlada em que os indivíduos são expostos a uma variedade de condições, a fim de determinar se uma determinada hipótese é verdadeira ou falsa. Os cientistas analisam as respostas dos sujeitos a essas condições, e tiram as conclusões a partir delas. Para entender a experimentação científica, é preciso entender como ambas as variáveis ​​dependentes e independentes funcionam no estabelecimento de um experimento.

Outras pessoas estão lendo

Variáveis ​​independentes

A variável independente é o fator que permanecerá inalterado pelo experimento. Trata-se do fator que é controlado pelo experimentador. Ele decide se os sujeitos experimentais devem ou não serem expostos à variável independente e também pode decidir a quanto da variável independente serão expostos os sujeitos.

Variáveis ​​dependentes

A variável dependente é o fator será alterado pela experiência. Esse é o fator que o pesquisador não tem controle direto e depende, em vez disso, da variável independente. Ao observar a variável dependente, o experimentador pode determinar se existe alguma conexão entre as variáveis ​​dependentes e independentes, como uma relação de causa e efeito ou uma simples associação. Se a hipótese do cientista for correta, a variável dependente mudará quando exposta a uma variável independente.

Exemplo

Como exemplo, considere um experimento planejado para testar a hipótese de que as aulas particulares resultam em melhores notas. No experimento, alguns dos alunos de uma escola recebem aulas particulares por um ano antes de se formarem. As aulas são a variável independente. As notas são a variável dependente.

Dois grupos

Para avaliar corretamente, se for o caso, a conexão existente entre as variáveis ​​independentes e dependentes, os cientistas precisam separar seus sujeitos experimentais em dois grupos. Um desses é o grupo de teste, exposto a uma variável independente. O outro é o grupo de controle, não exposto à variável independente. Se não houver nenhuma diferença entre os grupos de teste e controle, então a conexão entre as variáveis ​​dependentes e independentes é menos provável.

Correlação e causalidade

Lembre-se, a correlação não implica necessariamente em causalidade. Apenas porque as mudanças na variável dependente em uma determinada experiência estão associadas com as alterações na variável independente não provam que a primeira é o efeito da segunda. É possível que ambos estejam ligadas por uma terceira variável escondida. Como exemplo, considere um experimento que busca descobrir a conexão entre jogos de beisebol e o consumo de cachorro-quente. Mesmo que o estudo mostre que as pessoas que assistem mais partidas comem mais cachorros-quentes, isso não prova que assistir beisebol as leva a comer mais cachorros-quentes. As pessoas que tendem a gostar de beisebol podem, simplesmente também tender a gostar de cachorros-quentes. Os experimentos devem ser cuidadosamente criados para eliminar a possibilidade de tais conexões ocultas, a fim de comprovar as hipóteses que se propuseram a testar.

Não perca

Filtro:
  • Geral
  • Artigos
  • Slides
  • Vídeos
Mostrar:
  • Mais relevantes
  • Mais lidos
  • Mais recentes

Nenhum artigo disponível

Nenhum slide disponível

Nenhum vídeo disponível