Mais
×

Vinhos: tipos de uvas e suas características

Por trás de todo o vinho há uma grande uva
Jupiterimages/Photos.com/Getty Images

Introdução

Cada vinho tem características especiais que são dadas pelo tipo de uva utilizada para sua produção. Há dois tipos fundamentais de uvas para fazer vinho: brancas e tintas. Ambas pertencem à espécie Vitis Vinifera, que faz parte do gênero Vitis, a que pertencem todas as uvas que não são utilizadas na vinificação. Nessa galeria vamos fazer um tour pelas principais uvas utilizadas na produção de vinhos, mostrando suas qualidades, países onde são cultivadas e o tipo de vinho que elas produzem.

Stockbyte/Stockbyte/Getty Images

Uvas brancas

O vinho feito de uvas brancas não é tão bem apreciado pelo público em geral como o feito de uvas tintas, uma avaliação subjetiva que só serve para privar as pessoas de degustar grandes vinhos. Elas pensam nos vinhos brancos como bebidas ácidas e desinteressantes, mas essas mesmas características podem ser encontradas nos vinhos tintos de baixa qualidade. A seguir estão algumas das uvas brancas mais comumente usadas para produzir vinho.

Chardonnay
Jupiterimages/Comstock/Getty Images

Chardonnay

A origem da uva branca mais famosa é a França, especificamente a região de Borgonha, onde é amplamente empregada. Sua fama é devida a sua adaptabilidade e capacidade de fazer quase qualquer tipo de vinho - sejam eles jovens, maduros e espumantes. Em suas notas podemos distinguir o abacaxi, o melão e um tom defumado. Possui acidez moderada e cor esverdeada. Ela é usada em quase todo o mundo.

Digital Vision./Digital Vision/Getty Images

Sauvignon Blanc

Proveniente da França (Bordéus), o Sauvignon Blanc é usado principalmente para fazer vinhos jovens e aromáticos, com notas de lichia, pêssego, maracujá e flores silvestres. Na Espanha é usado para a elaboração de Cava (espumante). Como a Chardonnay, ela é uma uva comumente usada em vinícolas do mundo inteiro.

Stockbyte/Stockbyte/Getty Images

Verdejo

Essa é uma uva de origem espanhola, usada na denominação de origem (D.O.) de Rueda e Cigales. Mesmo que seu uso seja restrito ao país ibérico, é necessário mencioná-la, uma vez que é uma das mais antigas usadas na fabricação de vinho. Seus vinhos mostram tons amarelo-esverdeados e suas notas frutadas aromáticas possuem toques de abacaxi e erva fresca. A bebida que origina tem um sabor que persiste na boca e é perfeita para uma noite de verão.

Comstock Images/Comstock/Getty Images

Chenin Blanc

Nativa da França, a Chenin é uma uva multifacetada e usada principalmente no seu país de nascimento. Gera vinhos doces e encorpados, e sua acidez é ideal para se desenvolver na garrafa. Na Califórnia, nos Estados Unidos, e na África do Sul, ela é conhecida como Steen e é usada para fazer vinhos jovens e secos. Apresenta tons amarelo-esverdeados com reflexos dourados ocasionais. Maçãs, avelãs e nozes são notas aromáticas comuns em vinhos feitos desta uva.

Christopher Robbins/Digital Vision/Getty Images

Riesling

Esta variedade alemã é difícil de cultivar e é uma das mais procuradas pelo consumidor. Fornece vinhos com acidez equilibrada e doçura média que os tornam muito versáteis na hora de tomá-los. Com esta uva são fabricados todos os tipos de vinhos brancos. Apresenta aromas cítricos, de maçã verde e de pêssego. É altamente recomendável para amadurecer na garrafa. Sua cor é amarelo palha com reflexos esverdeados.

Jupiterimages/Goodshoot/Getty Images

Sémillon

Esta uva nativa da França produz vinhos secos e doces muito delicados. Ela também é usada na elaboração de vinhos de colheita tardia que mostram um alto teor de álcool com aroma floral intenso. As notas gerais são grama fresca, mel, banana e pão. Sua cor é verde clara com tons de dourado.

Medioimages/Photodisc/Photodisc/Getty Images

Uvas tintas

Os vinhos tintos têm uma aceitação quase unânime entre os enófilos, e a prova está na quantidade de variedades disponíveis no mercado em relação aos vinhos brancos ou rosé. A seguir estão algumas das uvas tintas mais populares em vinícolas do mundo e os tipos de vinhos que geram.

Burke/Triolo Productions/Brand X Pictures/Getty Images

Syrah

A origem da uva, também conhecida como Shiraz, Sirah ou Syrac, é incerta. Enquanto alguns afirmam que a Sicília é sua terra de nascimento, outros estão inclinados a apontar o Irã como seu berço. Os vinhos que produz são encorpados, com alto teor de tanino e cor violeta profunda. Os aromas mais comuns são os de violetas e cassis embora não seja raro encontrar notas de pimenta e frutas vermelhas. É uma uva ideal para envelhecimento e as vinícolas desde a Austrália até o México a usam, passando por metade da Europa.

Jupiterimages/Photos.com/Getty Images

Tempranillo

É a uva mais famosa e mais amplamente utilizado da Espanha. Sua origem a situa como descendente das uvas Pinot Noir francesas. Devido à sua baixa acidez e baixa presença de açúcar, é muito comum misturá-la com uma pequena porcentagem de outras uvas para obter vinhos melhores. Sua cor é o vermelho rubi e seus aromas mais representativos são de frutas da floresta, bagas, ameixa e tabaco. Ela possui alta capacidade de envelhecimento, o que a torna ideal para maturação em barris de carvalho. Também é usada em Portugal e em alguns países americanos.

Peter Macdiarmid/Getty Images News/Getty Images

Pinot Noir

Originária de Borgonha, na França, a Pinot Noir é frequentemente usada na região de Champagne. Produz vinhos de intensidade média e de cor rubi quando jovens e de telha ou ocre na maturidade. Apresenta aromas minerais, groselha, cereja e ameixa de forma geral. Ela é usada em muitas regiões do mundo e é recomendada para envelhecimento em barris.

Christopher Robbins/Digital Vision/Getty Images

Merlot

Muitos dos grandes vinhos são feitos com a Merlot, que é uma das uvas mais famosas, versáteis e adaptáveis. A maioria de seus vinhos contém notas de frutas vermelhas e pretas, com toques de hortelã. A cor violeta é a mais comum e é um dos vinhos mais adequados para acompanhar uma refeição. É ideal para o envelhecimento em barris.

Digital Vision./Digital Vision/Getty Images

Cabernet Sauvignon

A Cabernet Sauvignon é a uva vermelha mais famosa do mundo, muito utilizada devido a sua cor intensa e estabilidade. Os aromas típicos lembram violetas, bagas, framboesas, amoras e café não torrado. É comum encontrar notas de pimenta verde que a maioria dos enólogos atribui a um amadurecimento pobre do vinho e não a uma característica desejável. Sua cor é vermelha brilhante e é ideal para acompanhar carnes e molhos encorpados. É consumida e cultivada em praticamente todos os países onde se produz vinho.

Stockbyte/Stockbyte/Getty Images

Nebbiolo

Ela se originou no Piemonte italiano e fornece vinhos com grande presença. Quando a bebida é jovem apresenta aromas de violetas, cereja e ameixa madura. Vinhos mais maduros têm notas de trufas, defumados e alcatrão. Possuem alto teor alcoólico e média acidez. A cor na sua juventude é púrpura ou magenta com certa translucidez. Vinhos maduros mostram tons vermelho granada ou telha com reflexos laranja. É cultivado principalmente na Itália e nos últimos anos nos Estados Unidos e México. É aconselhável para acompanhar pratos pesados e complexos assim como carnes e massas com molhos encorpados.