Como cuidar de ferimentos diabéticos

Escrito por sandra ketcham | Traduzido por larissa frança
  • Compartilhar
  • Tweetar
  • Compartilhar
  • Pin
  • E-mail
Como cuidar de ferimentos diabéticos
Os pés (Goodshoot/Goodshoot/Getty Images)

Os diabéticos possuem um maior risco de ferimentos de pé e pele complicados, devido à associação entre a diabetes e a neuropatia, que é uma diminuição ou falta completa de sensibilidade nas extremidades. O ponto mais comum de ferimentos diabéticos são os pés. Aproximadamente 15 % das pessoas afetadas por essa doença desenvolvem úlceras nos pés, de acordo com a Associação Médica Americana de Podologia, e a diabetes é a causa mais comum de amputação de extremidades inferiores que não são causadas por traumas, nos americanos. O tratamento dos ferimentos diabéticos é prolongado e complicado e frequentemente exige hospitalização.

Nível de dificuldade:
Desafiante

Outras pessoas estão lendo

O que você precisa?

  • Curativos médicos esterilizados
  • Pomada tópica tripla antibiótica

Lista completaMinimizar

Instruções

  1. 1

    Cuide da diabetes tomando sua medicação e comendo adequadamente para manter os níveis de glicose no sangue sob controle e dentro da faixa alvo. A Mayo Clinic alerta que os diabéticos são significantemente mais propensos a desenvolver complicações sérias de lesões na pele mínimas que aqueles que não a possuem.

  2. 2

    Mantenha o ferimento coberto para prevenir a contaminação e infecção. Troque os curativos frequentemente, e mantenha a área afetada úmida todo o tempo. Se o seu médico prescrever medicamentos tópicos, aplique-os toda vez que mudar o curativo.

  3. 3

    Evite a infecção mantendo o ferimento limpo. Se ele já estiver infectado, o tratamento com antibióticos será prescrito. As infecções severas ou aquelas que não respondem a antibióticos em casa, podem exigir tratamento no hospital.

  4. 4

    Use calçados especiais, aparelhos ou peças fundidas ou utilize uma muleta ou cadeira-de-rodas se o ferimento for no pé. A Associação Médica Americana de Podologia declara que as úlceras diabéticas no solado do pé são difíceis de tratar e ficar sem utilizar os pés o máximo possível é essencial para o processo de cura.

  5. 5

    Vá ao médico para debridamento das feridas infectadas, um procedimento cirúrgico que envolve a remoção das células e tecidos mortos. Tipicamente, uma amostra do tecido removido será enviado para testes a fim de determinar quais bactérias ou fungos são responsáveis pela infecção.

  6. 6

    Utilize produtos designados especificamente para tratar as úlceras de pele e pés, tais como fatores de crescimento e substitutos de pele. Eles são bastante eficazes na diminuição do risco de infecção e aceleramento da cura, de acordo com a Associação Médica Americana de Podologia.

  7. 7

    Utilize sapatos bem ajustados e meias todos os dias e evite calçados apertados e salto alto. Nunca ande com descalço e evite a exposição dos seus pés a temperaturas extremas, tais como areia quente ou solo congelado.

  8. 8

    Inspecione os pés diariamente por sinais de úlceras e outros ferimentos, infecções, rachaduras, feridas ou bolhas. Olhe entre os dedos e no solado de ambos os pés. A identificação e o tratamento precoce são importantes no tratamento de ferimentos diabéticos. Até o menor corte deve ser reportado ao médico, de acordo com a Academia Americana de Médicos de Família.

  9. 9

    Evite utilizar remédios caseiros para tratar a ferida, a não ser que aprovados pelo seu médico. A Academia Americana de Médicos de Família alerta contra imersões e banhos quentes, bolsas de aquecimento e o uso de água oxigenada, adstringentes e iodo quando estiver com o ferimento. A limpeza leve com sabão e água e a aplicação de antibióticos tópicos é o tratamento caseiro adequado para feridas menores sem complicações.

  10. 10

    Reduza os fatores de risco de complicações e futuros ferimentos. A neuropatia, a circulação pobre, os sapatos inadequados, a falha no controle do açúcar no sangue e a presença de deformidade nos pés, tudo isso aumenta o risco de ferimentos sérios e infecções. Fumar, beber álcool e os altos níveis de colesterol também aumentam essa possibilidade.

Não perca

Filtro:
  • Geral
  • Artigos
  • Slides
  • Vídeos
Mostrar:
  • Mais relevantes
  • Mais lidos
  • Mais recentes

Nenhum artigo disponível

Nenhum slide disponível

Nenhum vídeo disponível