Métodos e técnicas de pintura a óleo dos Velhos Mestres

Escrito por jennifer hayes | Traduzido por pina bastos
  • Compartilhar
  • Tweetar
  • Compartilhar
  • Pin
  • E-mail
Métodos e técnicas de pintura a óleo dos Velhos Mestres
Leonardo da Vinci, pintor e cientista, é um dos mais conhecidos dos Velhos Mestres (Photos.com/Photos.com/Getty Images)

O termo Velho Mestre frequentemente descreve artistas da época da Renascença, como Leonardo da Vinci ou Rafael, mas também pode descrever qualquer artista entre os anos 1500 e 1800. Muitos Velhos Mestres da pintura a óleo são medalhas de ouro do que a arte deveria ser e suas técnicas são ferramentas de aprendizado valiosas para qualquer artista aspirante. Usando três técnicas - pintura de base, velatura e suavização - os Velhos Mestres aperfeiçoavam tanto o método Flamengo quanto o Veneziano de pintura a óleo.

Outras pessoas estão lendo

Pintura de base

Uma técnica de pintura dos Velhos Mestres largamente usada é a pintura de base, um processo preliminar no qual o artista dispõe a forma e a composição tonal da pintura. Esse rascunho esquemático atua como base para as camadas de pintura que constroem a obra final. Usando têmpera ou óleo, a pintura de base tanto é monocromática quanto colorida, e seca completamente antes da aplicação das camadas subsequentes. Uma pintura de base monocromática é geralmente na escala de cinzas, que permite ao artista definir luz e sombra, enquanto uma pintura de base colorida define o uso geral da cor na pintura.

Velatura

Outra técnica dos Velhos Mestres é a velatura, que é a aplicação de camadas transparentes ou semi-transparentes sobre uma cor clara da pintura de base. Devido ao número reduzido de cores disponíveis para os Velhos Mestres, a velatura era uma maneira de expandir a paleta, aplicando camadas de tons transparentes de cor, uma sobre a outra. Feita da mistura de tinta e de um óleo até tornar-se transparente, uma velatura tingida aplicada a uma superfície clara e opaca funciona mais ou menos como uma luz de palco em um teatro. A luz brilha através das folhas transparentes coloridas e a combinação das diferentes folhas de cor produz um número incalculável de novas cores.

Suavização

Uma técnica comum usada pelos Velhos Mestres é a suavização, na qual as camadas de tinta mais clara se sobrepõem às de cores mais escuras. Suavização, o oposto de velatura, usa tinta opaca ou semi-opaca em camadas sobre tinta seca com um pincel ou com uma espátula de pintura e arranha para criar textura. Leonardo da Vinci empregava frequentemente a suavização, utilizando a técnica para realce e delicadeza. Ela também é benéfica quando usada para a transição ou gradação da cor.

Método Flamengo

O método flamengo de pintura, usado por Velhos Mestres como Van Eyck e Hans Holbein, o Jovem, era a técnica comum no Norte da Europa. Pintada em uma superfície dura, como madeira, era uma pintura de base plana e transparente conhecida como imprimatura. Usando a técnica da velatura, os Velhos Mestres Flamengos aplicavam os tons escuros primeiro, e depois aplicavam os tons médios, que eram ou opacos ou de velatura transparente. Finalmente, o artista aplicava os tons mais claros e os realces que eram sempre opacos.

Método Veneziano

No Sul da Europa, particularmente na Itália, os Velhos Mestres utilizavam o método Veneziano de pintura a óleo. Como o método Flamengo, o Veneziano usava tons escuros e realces opacos, mas diferia ao usar telas em vez de madeira. Os pintores como Ticiano e Giorgione, juntamente com Leonardo da Vinci, aperfeiçoaram o método Veneziano e foram os pioneiros no uso da suavização. Os pintores italianos também usavam pincéis grandes de cerdas de pelo de porco para criar textura.

Não perca

Filtro:
  • Geral
  • Artigos
  • Slides
  • Vídeos
Mostrar:
  • Mais relevantes
  • Mais lidos
  • Mais recentes

Nenhum artigo disponível

Nenhum slide disponível

Nenhum vídeo disponível