Mais
×

Como reduzir o eco em uma igreja abobadada

Atualizado em 21 fevereiro, 2017

Igrejas belas e antigas são construídas de pedra e mármore, com grandes colunas arqueadas e tetos abobadados. Estas salas cavernosas se adequavam acusticamente aos grandes órgãos que enchiam as construções com música. A voz do pastor também era bem escutada, auxiliada pela arquitetura abobadada ao invés de microfones e amplificadores. No entanto, o surgimento dos sistemas de som amplificados criou problemas acústicos para essas igrejas antigas.

Instruções

Igrejas antigas com tetos abobadados eram projetados sem considerar suas características acústicas (Jupiterimages/Photos.com/Getty Images)
  1. Identifique as paredes da igreja onde os painéis acústicos poderiam ser montados. Estes painéis entrelaçados e visualmente agradáveis absorvem o som, ao invés de refleti-lo de volta. Eles ajudarão a diminuir as ondas sonoras que criam o eco.

  2. Crie banners temáticos (litúrgicos) que possam ser pendurados ao longo das paredes da igreja. Os banners de tecido irão absorver as ondas sonoras, reduzindo a quantidade de espaço da parede, que é uma superfície de reflexão acústica.

  3. Projete e instale os banners acima dos bancos e no espaço livre abaixo do domo da igreja. Coloque qualquer superfície acusticamente absorvente, como uma bandeira decorativa no ar (pendurada), abaixo dos tetos abobadados e a área das abóbadas absorverá as ondas sonoras, prevenindo ou diminuindo os ecos acústicos.

  4. Contrate um engenheiro acústico para avaliar as propriedades acústicas da igreja. Amplificadores modernos criam demandas exclusivas sobre a acústica dela, que não estavam previstos quando as igrejas de tijolos e a abóbada de mármore foram construídas. Um engenheiro acústico profissional pode fazer sugestões sobre a colocação do sistema de som que irá incrementar a arquitetura, e não combatê-la.

O que você precisa

  • Painéis acústicos de malha com 2,5 cm de largura
  • Banners de tecido
Cite this Article A tool to create a citation to reference this article Cite this Article