Sobre a descompensação cardíaca

Escrito por kristen schnurman | Traduzido por thaís silva
  • Compartilhar
  • Tweetar
  • Compartilhar
  • Pin
  • E-mail
Sobre a descompensação cardíaca
A descompensação cardíaca pode ser aguda ou pode ocorrer por conta de problemas crônicos de saúde (Creatas Images/Creatas/Getty Images)

A descompensação cardíaca é a falha do coração ao fornecer circulação suficiente para os tecidos corporais. Esses tecidos dependem de um fornecimento estável de sangue tanto para produzir oxigênio quanto para carregarem resíduos. A descompensação do coração pode ser aguda, apresentando um ataque repentino, como um choque. Ela também pode ocorrer por conta de problemas de saúde crônicos, como a insuficiência cardíaca congestiva.

Outras pessoas estão lendo

A importância do oxigênio

Quando o coração não consegue bombear sangue suficiente, o corpo é privado de oxigênio. As células do corpo dependem dele para realizarem a respiração celular -- o processo no nível celular pelo qual a energia é produzida da glicose ou de outra molécula de alta energia. Essa energia é produzida na forma de ATP. ATP é uma molécula que é uma forma eficiente de armazenar a energia usada rapidamente pela célula. As células dependem do ATP para continuar com suas funções necessárias, como a formação de proteína e a manutenção dos nutrientes no corpo da célula.

Remoção de resíduos

A produção de energia na célula também produz resíduos. Resíduos como dióxido de carbono e água são carregados na circulação longe dos tecidos do corpo. Eles são carregados até os pulmões, onde são expelidos do corpo durante a expiração. Danos nos tecidos, e por fim a morte, ocorre se os resíduos ficam acumulados devido à má circulação.

Choque

O choque resulta de uma falência repentina do coração, dos vasos sanguíneos ou do sangue em realizar suas funções necessárias. Quando o corpo entra em choque, sua primeira resposta é compensar para restaurar o funcionamento normal. Por exemplo, quando o choque ocorre por conta de uma grande perda de sangue -- chamado de choque hemorrágico -- o corpo compensa contraindo os vasos sanguíneos e aumentando a taxa respiratória. Essa resposta inicial mantém a ida do oxigênio e dos nutrientes até os tecidos. No entanto, o corpo não pode continuar compensando por muito tempo. A taxa respiratória logo diminui e a pressão sanguínea cai. Esse estágio é chamado de descompensação.

Quando a descompensação ocorre, a saúde do paciente pode rapidamente seguir para um choque irreversível. Esse choque acontece quando o corpo não consegue mais fazer com que o sangue circule para os tecidos vitais. Mesmo se o paciente atingir novamente as taxas cardíacas e respiratórias, a falta de sangue nos tecidos vitais pode resultar em falência de órgãos e em morte -- até dias depois.

Insuficiência cardíaca congestiva

A insuficiência cardíaca congestiva é uma síndrome ou um conjunto de sintomas que ocorre quando o coração não bombeia efetivamente o suficiente para mover os fluidos pelo corpo. O coração entra em falência lentamente. O resultado da descompensação cardíaca, quando se fala em insuficiência cardíaca congestiva, é o acúmulo de fluidos nos pulmões e em outros tecidos. Esse acúmulo nas extremidades como nas mãos, nos pés e no rosto causa o inchado ou o edema. Fluidos acumulados nos pulmões prejudicam a função respiratória, reduzindo mais tarde a chegada do oxigênio aos tecidos e a remoção dos resíduos do corpo.

Prevenção/Solução

A insuficiência cardíaca congestiva pode ser tratada com medicação, mudanças na dieta e exercícios sob a supervisão de um médico. Você pode aprender a reconhecer os primeiros sinais do choque antes que ele progrida à descompensação cardíaca. Os primeiros sintomas do choque são o aumento da taxa cardíaca, da taxa respiratória, palidez, pele fria e úmida, e a diminuição das funções mentais. Para tratar um paciente nesses primeiros estágios de choque, primeiro deite-o. Cubra-o com um cobertor para manter o calor corporal. Levante seus pés um pouco acima do nível do coração. Não levante as pernas se ele sofreu algum trauma na cabeça ou na espinha. Finalmente, dê ao paciente oxigênio, se houver.

Não perca

Filtro:
  • Geral
  • Artigos
  • Slides
  • Vídeos
Mostrar:
  • Mais relevantes
  • Mais lidos
  • Mais recentes

Nenhum artigo disponível

Nenhum slide disponível

Nenhum vídeo disponível