Tipos de vasos canópicos

Escrito por casandra maier | Traduzido por luana santos
  • Compartilhar
  • Tweetar
  • Compartilhar
  • Pin
  • E-mail
Tipos de vasos canópicos
Vasos canópicos evoluíram de versões simples a com representação dos filhos de Hórus (Photos.com/Photos.com/Getty Images)

O embalsamamento e a mumificação eram os rituais funerários dos antigos egípcios. Os órgãos dos mortos eram removidos e preservados em vasos especializados conhecidos como canópicos. Retiravam o fígado, os pulmões, o estômago e os intestinos. Os egípcios não tiravam o coração, porque acreditavam que seria necessário no dia do julgamento. Cada órgão era envolto em linho coberto de óleo e colocado em um vaso separado e lacrado. Os tipos desses artefatos evoluíram ao longo da história egípcia.

Outras pessoas estão lendo

Primeiros tipos de vasos

Os tipos mais simples de vasos canópicos vieram do Império Antigo, que se estendeu de 2575 a.C. a 2130 a.C. Estes vasos não eram decorados, inscritos ou entalhados. Eles consistiam em peças simples, lisas com tampas planas. Conforme a era progrediu, as tampas evoluíram para os formatos de cúpula. Mais tarde, no Império Médio, entre 1938 a.C. e 1630 a.C., as tampas dos frascos canópicos eram esculpidas para se parecerem com cabeças humanas com rostos pintados.

Evolução

A partir da 19ª dinastia até o fim do Império Novo, que durou de 1539 a 1075 a.C., os vasos canópicos evoluíram estilisticamente. Em vez de cabeças humanas, eram esculpidas imagens dos quatro filhos do deus Hórus. As mudanças nas práticas funerárias na 21ª até a 25ª dinastia levaram os egípcios a devolverem os órgãos embalsamados para o corpo antes da mumificação. Durante este tempo, 1075-664 a.C., uma imitação dos vasos canópicos era colocada na tumba do falecido. Esses simulacros se pareciam muito com os vasos do Império Novo. As tampas representavam imagens esculpidas dos filhos de Hórus, mas o corpo dos frascos não tinham uma cavidade interna.

Tipos de tampas

Os retratos dos quatro filhos de Hórus são os tipos de tampa canópicos mais facilmente reconhecidos. Acreditavam que estes deuses padroeiros vigiavam e protegiam os órgãos internos do falecido. A cabeça esculpida em cada vaso também era utilizada para identificar qual órgão guardava. Aquele que continha os pulmões tinha a cabeça de um babuíno, também conhecido como Hapi. O frasco com a cabeça de falcão era o deus patrono Kebehsenuef e guardava os intestinos. O estômago era colocado no vaso com a cabeça de chacal, também conhecido como Duamutef. Finalmente, o fígado era posto dentro no com a cabeça de um homem, representando o deus Imseti.

Materiais, decoração e tamanho

Os tipos de vasos canópicos estavam disponíveis em diversos materiais, incluindo calcita, madeira, pedra, cerâmica, bronze, alabastro e ouro. Os ricos tinham vasos feitos de compostos de melhor qualidade. Os materiais mais baratos eram usados ​​para os menos afortunados. Assim como os tipos de vasos mudaram ao longo do tempo, o mesmo aconteceu com sua decoração. O que começou como simplesmente decorado evoluiu para uma escultura elaborada, entalhada, pintada e inscrita no corpo dos vasos. As decorações representavam tipicamente imagens dos deuses. Há também variações quanto ao tamanho dos vasos. O gargalo era tipicamente entre 12 e 25 cm de diâmetro.

Não perca

Filtro:
  • Geral
  • Artigos
  • Slides
  • Vídeos
Mostrar:
  • Mais relevantes
  • Mais lidos
  • Mais recentes

Nenhum artigo disponível

Nenhum slide disponível

Nenhum vídeo disponível