Habitat natural das baleias azuis

••• Hemera Technologies/Photos.com/Getty Images

A baleia azul é o maior animal que habita esse planeta. Maior que uma combinação do tiranossauro rex com um brontossauro, esse gigante pesa aproximadamente 150 toneladas e pode crescer até o comprimento de 34 metros. A baleia azul era encontrada em todos os oceanos do mundo, mas atualmente sua população e habitat foram reduzidos.

População e história

Hemera Technologies/AbleStock.com/Getty Images

A baleia azul continua sendo uma espécie em perigo de extinção apesar do comércio de baleias ter parado em 1964. Antes da caça comercial de baleias tornar-se popular no mundo, a população desses animais era de aproximadamente 270,000 no mundo todo. Seus números diminuíram severamente e estão limitados ao Pacífico Norte e ao Atlântico, com avistamentos ocasionais no hemisfério sul.

Migração

A baleia azul migra para o norte e para o sul. Durante o verão, elas imigram para o norte para se alimentarem de krill, que elas tipicamente consomem de 6 a 7 toneladas por dia. Durante o inverno elas migram para o equador para acasalar. Aparentemente elas não se alimentam durante esse período, queimando sua gordura armazenada.

Habitat atual

Digital Vision/Digital Vision/Getty Images

As baleias azuis preferem temperaturas baixas ou as águas temperadas do oceano profundo onde seu alimento favorito, pequenos crustáceos e krill também residem. As baleias azuis não são mais encontradas em seus habitats comuns, como no oceano profundo da costa sul do Japão e no norte do Golfo do Alasca. Seu atual habitat são águas próximas da Islândia e da Irlanda, os mares do sul do Caribe e o Mar de Cortez.

Destruição do habitat

A caça comercial de baleias não é o único fator que causou impacto na população de baleias azuis, apesar de ser a causa inicial para seu status de espécie em perigo de extinção, reduzindo seus números para apenas 1,000 no mundo todo. A poluição e o aquecimento dos locais onde se alimenta em razão de mudanças climáticas tornou difícil sua recuperação, apesar de ser protegida pelo Ato de Proteção de Mamíferos Marinhos de 1972 e pelo Ato de Espécies em Perigo de Extinção de 1973.

Mais recentes

×