Como descobrir as velocidades de uma polia e sua correia

Escrito por william kinsey | Traduzido por luiz henrique amaral alves
  • Compartilhar
  • Tweetar
  • Compartilhar
  • Pin
  • E-mail
Como descobrir as velocidades de uma polia e sua correia
Sistema de polias e correias em um motor de automóvel (moteur image by Secret Side from Fotolia.com)

As velocidades de uma polia e sua correia estão relacionadas por uma gama de equações dinâmicas. A velocidade da polia depende do que a está impulsionando, do seu próprio tamanho e do tamanho da polia em que ela está conectada. Quando duas polias estão conectadas por uma correia, a velocidade desta para as duas polias é a mesma. O que pode mudar é a distância que a correia percorre entre cada polia. Isso é regulado pelo tamanho das polias.

Nível de dificuldade:
Moderado

Outras pessoas estão lendo

O que você precisa?

  • Calculadora

Lista completaMinimizar

Instruções

  1. 1

    Ache a polia e a fonte de força que propulsiona o sistema. Normalmente é um motor elétrico ou algum tipo de motor de combustão interna. Comece pela polia motriz e meça-a. Depois meça a polia que está conectada através da correia à polia motriz. Por exemplo, a polia motriz pode ter 5 cm e a polia secundaria pode ter 10 cm.

  2. 2

    Determine a velocidade de uma das polias. Normalmente a polia mais fácil de ser medida é a motriz, já que em motores elétricos a velocidade dela é a mesma do motor. Para os motores de combustão interna a velocidade pode ser medida com um tacômetro. Uma velocidade comum para motores elétricos, por exemplo, é de 1.800 rpm.

  3. 3

    Determine a razão entre as polias. A razão entre elas depende do tamanho das duas polias. Como a polia motriz possui 5 cm e a polia secundária possui 10 cm, a razão entre elas é de 10 dividido por 5, que é igual a 2. Isto significa que a polia motriz precisa dar duas voltas para a polia secundária dar uma volta.

  4. 4

    Descubra a velocidade da polia secundária resolvendo a equação da velocidade das polias (N1)(D1)=(N2)(D2). Temos que D1 é o diâmetro da polia secundária, D2 é o diâmetro da polia motriz, N1 é a velocidade da polia secundária e N2 é a velocidade da polia motriz. Insira o que você já sabe: (N1)(10)=(1800)(5). Como solução desta equação temos que N1 é 900 rpm.

  5. 5

    Calcule a velocidade da correia multiplicando a circunferência da correia pela sua velocidade. Por exemplo, a polia motriz tem uma circunferência de (Pi)(D2). Isto é igual a 2(Pi). A velocidade da polia é de 1.800 rpm. Multiplicando isto, chegamos a aproximadamente 28.712 centímetros por minuto. Dividimos por 100 e chegamos a aproximadamente 287 metros por minuto.

Não perca

Filtro:
  • Geral
  • Artigos
  • Slides
  • Vídeos
Mostrar:
  • Mais relevantes
  • Mais lidos
  • Mais recentes

Nenhum artigo disponível

Nenhum slide disponível

Nenhum vídeo disponível