Treinamento sobre radiação não ionizante

Escrito por j.t. barett | Traduzido por luiz neves
  • Compartilhar
  • Tweetar
  • Compartilhar
  • Pin
  • E-mail
Treinamento sobre radiação não ionizante
As estações de radar são fortes fontes de radiação não ionizante (radar image by rlat from Fotolia.com)

A radiação não ionizante é uma forma de radiação eletromagnética que possui menos energia que a luz ultravioleta ou os raios X. Apesar de isso fazer com que a radiação não ionizante seja mais segura do que a ionizante, ela ainda traz alguns riscos. Assim como todas as formas de radiação, é possível proteger-se usando bloqueios contra ela e mantendo distância entre você e a fonte. Várias organizações governamentais e independentes definiram níveis seguros de exposição, e os produtores de equipamentos seguem essas diretrizes.

Outras pessoas estão lendo

Propriedades

Como a energia de radiação aumenta com a diminuição do comprimento de onda, a radiação não ionizante possui comprimentos de onda relativamente longos, abrangendo desde a luz visível de cerca de 450 nanômetros até as ondas de rádio de vários metros. Com exceção da luz, a radiação não ionizante é invisível, porém facilmente detectável com dispositivos eletrônicos. Ela viaja em linhas retas e pode ser guiada ou absorvida por vários materiais.

Aquecimento

Ao contrário da radiação ionizante, que pode danificar diretamente o tecido biológico, a não ionizante apenas aquece as coisas. As moléculas polares, como a da água, absorvem a energia da radiação, tornando-se quentes. Os fornos de micro-ondas e lâmpadas incandescentes são exemplos comuns, porém isso acontece com todos os comprimentos de onda de alguma maneira. O calor excessivo pode causar dor e danos aos tecidos.

Exposição

A "Food and Drug Administration" (FDA) estabeleceu limites de exposição às ondas de rádio em máquinas de ressonância magnética, porém, muitas das mesmas ideias se aplicam a outras fontes de radiação não ionizante. A exposição foi definida em termos da taxa de absorção específica (SAR, em inglês), que descreve quantos watts de energia foram absorvidos por um quilograma de tecido humano. Os limites de exposição segura determinados pela FDA são não mais do que 8 watts por quilograma de tecido durante cinco minutos, ou 4 watts/kg por quinze minutos. Outras organizações, como a "Federal Communications Commission" (FCC) e a "Occupational Safety and Heath Administration" (OSHA), estabeleceram limites para configurações específicas de ambientes de trabalho e tipos de equipamento.

Proteção

É possível se proteger da radiação não ionizante proveniente de vazamentos de equipamentos e cabos usando vários tipos de proteção. Em vários casos, os designers de equipamentos usam gaiolas de metal aterrado para bloquear a energia de radiofrequência. A energia pode fazer sua função desejada dentro da gaiola, mas não consegue escapar dela. Um exemplo comum de proteção é o cabo coaxial. Ele consiste de um fio condutor interior com um revestimento de plástico que, por sua vez, é envolto em uma malha condutora. A malha externa impede que a radiação de radiofrequência escape do cabo, especialmente quando é conectada a um aterramento elétrico.

Distância

Toda a radiação de uma fonte pontual diminui sua intensidade com o quadrado da distância da fonte. Os cientistas e engenheiros chamam isso de lei do quadrado inverso. Com uma maior distância, a força da radiação não ionizante diminui para uma pequena fração do que é quando se está perto da fonte. Esses fatos, junto com os efeitos de proteção, permitem às pessoas trabalharem com segurança com equipamentos que produzem radiação.

Não perca

Filtro:
  • Geral
  • Artigos
  • Slides
  • Vídeos
Mostrar:
  • Mais relevantes
  • Mais lidos
  • Mais recentes

Nenhum artigo disponível

Nenhum slide disponível

Nenhum vídeo disponível