Os efeitos do cortisol na testosterona

Escrito por holly huntington | Traduzido por natalia peres
  • Compartilhar
  • Tweetar
  • Compartilhar
  • Pin
  • E-mail
Os efeitos do cortisol na testosterona
Cortisol e testosterona são hormônios afetados durante períodos de estresse (adrenaline image by Cornelia Pithart from Fotolia.com)

Cortisol e testosterona são dois hormônios produzidos pelas glândulas supra-renais, as glândulas que ficam sobre os rins no corpo humano (testosterona também é produzida nos testículos e nos ovários femininos, sendo apenas uma pequena quantidade efetivamente produzida nas glândulas supra-renais). Ambos os hormônios são afetados durante períodos de estresse. O cortisol é aumentado e liberado no corpo durante o estresse; a testosterona tem sua produção reduzida à força. Geralmente, ambos os níveis voltam ao normal quando a causa do estresse passa, mas se isso não acontecer dentro de um período razoável de tempo, então os baixos níveis de testosterona continuam em detrimento do corpo.

Cortisol, outros hormônios e estresse

Quando nosso corpo se depara com algum tipo de ameça, ele percebe isso como um fator de estresse e libera hormônios. Por exemplo, se vamos precisar nos defender fisicamente, o hormônio noradrenalina ad-renal produzido é segregado. Se é necessário ser capaz de se mover rapidamente para fora do perigo, então epinefrina (outro hormônio supra-renal e, por vezes, referido como adrenalina) é secretado. E se precisamos usar nossos músculos e cérebro para pensar e responder ao estresse próximo, então o cortisol é liberado junto com um dos outros dois.

Níveis reduzidos de testosterona pelo estresse e aumento de cortisol

Para que nosso corpo atenda à demanda de estresse inesperado e à superprodução dos três hormônios já mencionados, ele precisa desligar temporariamente importantes funções corporais. Isso permite que ele use a energia de todas aquelas atividades para o auxiliarem na crise do momento. Um dos hormônios desativados temporariamente durante este período de estresse é a testosterona, colocando assim um impasse de curto prazo para o sua importante função no que diz respeito ao crescimento e reprodução humana.

Perigos de baixos níveis de testosterona devido ao cortisol

Se o fator estressante não é eliminado logo após o evento episódico (por exemplo, uma pessoa pode não ser capaz de deixar o campo de batalha, ou uma criança não pode ser capaz de escapar do abuso em casa), então os níveis de cortisol elevados continuam a existir no organismo , mantendo outros sistemas comprometidos - como os conduzidos pela testosterona (crescimento e reprodução). Quando o nível de testosterona no organismo é muito baixo, pelos níveis de cortisol estarem muito elevados, o crescimento normal e processos de reprodução são prejudicados.

Efeitos negativos dos altos níveis de cortisol a testosterona

A suspensão da ovulação feminina e da liberação do esperma masculino são dois efeitos dos níveis de cortisol muito altos. Mas esse não é o único efeito negativo para a testosterona devido à persistência de níveis elevados de cortisol. Outro é a suspensão da fabricação de hormônios sexuais pelo organismo (progesterona, testosterona e estrogênio), o que pode afetar negativamente o desejo sexual, menstruação, ejaculação, humor e outras funções corporais dependentes desses hormônios necessários.

Efeitos adicionais

Além dos já citados, o crescimento pode ser retardado, a estatura pode se tornar limitada, e os processos normais de crescimento podem ser prejudicados (se o alto nível de estresse ocorrer durante a infância ou juventude). Em adultos, especialmente naquelas passando pela menopausa, os efeitos adversos podem ser sentidos devido a uma queda ainda maior dos hormônios sexuais que normalmente ocorrem nesta fase da vida. Altos níveis contínuos de cortisol podem eventualmente levar à depressão.

Não perca

Filtro:
  • Geral
  • Artigos
  • Slides
  • Vídeos
Mostrar:
  • Mais relevantes
  • Mais lidos
  • Mais recentes

Nenhum artigo disponível

Nenhum slide disponível

Nenhum vídeo disponível