Mais
×

Os efeitos do curare no impulso nervoso

Atualizado em 17 abril, 2017

Apesar do curare ser um veneno em potencial, textos médicos, incluindo o livro "Goodman & Gilman's Pharmacological Basis of Therapeutics", concordam em uma coisa: a descoberta dos seus efeitos no impulso nervoso foi uma marca para a prática da anestesia, o que abriu caminho para a descoberta de relaxantes musculares melhores e mais seguros.

Os nervos controlam os músculos por meio de impulsos nervosos (muscle 54 image by chrisharvey from Fotolia.com)

Descrição

O curare é um termo genérico para o veneno de flechas na América do Sul, geralmente proveniente dos vegetais strychnos toxifera ou chondrodendron tomentosum. Também conhecido como tubocurarina, o curare funciona como um bloqueador neuromuscular ou relaxante muscular.

Local de ação

O curare age na junção entre o nervo e o músculo para bloquear a transmissão dos impulsos nervosos. Os impulsos nervosos são mensagens eletroquímicas que propagam pelas fibras nervosas e musculares para produzirem uma ação.

Mecanismo de ação

O curare compete com a acetilcolina por receptores nas células musculares. A acetilcolina é um mensageiro químico que normalmente transmite impulsos nervosos e ativa receptores musculares.

Efeitos

Quando o curare se liga no lugar da acetilcolina, os receptores não ficam ativados, causando perda da função muscular, paralisia e possível morte. A dosagem e os intervalos entre as doses determinarão a gravidade dos efeitos do curare.

Relação de tempo

O curare imobiliza os músculos minutos após a sua injeção. Entretanto, os seus efeitos são reversíveis e não causam danos às fibras nervosas.

Envenenamento por curare

Drogas anticolinesterase, como a fisiostigmina e a neostigmina, podem reverter os efeitos do curare. Essas drogas bloqueiam a degradação da acetilcolina na junção neuromuscular; assim, as moléculas de acetilcolina ficam em maior número e podem ativar receptores musculares desocupados.

Cite this Article A tool to create a citation to reference this article Cite this Article