Poemas sobre estrelas cadentes

Escrito por noelle carver | Traduzido por felipe minéu
  • Compartilhar
  • Tweetar
  • Compartilhar
  • Pin
  • E-mail
Poemas sobre estrelas cadentes
A natureza breve e magnífica de uma estrela cadente, pode ser bem descrita em uma poesia (Chad Baker/Photodisc/Getty Images)

Os poetas costumam usar imagens da natureza para contar histórias pessoais e expressar emoções. As imagens de estrelas e estrelas cadentes aparecem em poemas, muitas vezes dizem respeito ao amor ou à passagem do amor. Alguns poemas imitam a forma da cauda longa das estrelas no céu noturno; outros poetas escrevem poemas que se concentram na brevidade da estrela cortando através do ar por um segundo ou menos.

Outras pessoas estão lendo

Poema sem título de Giovanni Malito

Um poema curto de Giovanni Malito, poeta candense-irlandês de Cork, na Irlanda, descreve uma estrela cadente com poucas linhas. O curto poema de seis linhas, todas as letras minúsculas, com apenas um sinal de pontuação -- um traço. Semelhante a um haikai, o poema sem título celebra a estrela cadente como um haikai celebra uma pequena pedra ou árvore. O poema também tem um ritmo tenso, com uma estrutura silábica 4-3-4 2-6-6. O poema começa, "A estrela cadente / raia o céu / tornando-se real." Esta curta, mas precisa descrição ajuda o leitor a confiar no poeta, que ele tem um olho afiado, observador e gentil. A segunda e última estrofe, "noite clara / no espaço de sorriso / o meteoro se foi" dá ao leitor a sensação de ter assistido a estrela cadente, mas a estrela desaparece no segundo que é vista, como um sorriso, breve e genuíno.

uma estrela cadente raias do céu tornando-se real

noite clara - no espaço de um sorriso o meteoro se foi

  • Giovanni Malito (1957-2003)

"O espírito do mar e a estrela cadente" de Jack London

Jack London foi sobretudo um contista e romancista, mas ele também escreveu poemas. Um poema raro, "O espírito do mar e a estrela cadente" -- originalmente publicado em forma de manuscrito em 1899 -- conta uma história antropomórfica da origem de estrelas cadentes. O poema é narrativo, lírico e rímico. O poema começa:

"Um pequeno espírito marítimo no mar em uma noite chorou "Agora é a minha hora" E ele olhou para cima E ele olhou para seu amor; Afinal estava apaixonado, entende."

As linhas são doces e fantasiosas, e incentivam o leitor a aprender mais sobre o amor desse espírito, que é uma estrela no céu. O poema continua a descrever como o espírito do mar sobe em direção ao céu para alcançar a estrela, mas só chega até a lua. Ele sente falta de sua casa, no mar e quer morrer. A estrela acima então desce galantemente para resgatá-lo e devolvê-lo ao mar.

"Nem um pouco cedo demais Ela veio até a lua Quando ela pegou à mão de seu amante E cantaram com alegria Enquanto eles chegaram ao mar Bem na casa do espírito do mar."

"Estrela cadente" de Andy Travis

Andy Travis escreveu o poema "Estrela cadente" em 2002 sobre a descoberta e acalentando o amor de sua vida. O poema descreve que o seu desejo a uma estrela criou o amor entre ele e sua namorada.

"Uma vez eu desejei a uma estrela e esse desejo me trouxe até aqui. O desejo, mais do que um sonho, ainda não uma fantasia, de alguma forma se tornaria realidade."

O orador no poema se preocupa com o pedido a uma estrela não se tornar realidade, que ele não vai encontrar o amor verdadeiro com esta menina. No entanto, ele sente que desejou como deveria.

"Eu agora tenho o meu amor com caloroso abraço. Porque uma vez eu desejei a uma estrela desejo o qual nos trouxe até aqui"

"Nossa estrela cadente" de Kim McFall

"Nossa estrela cadente", escrito por Kim McFall, é um poema narrativo sobre a perda da mãe e pai de uma criança vindoura. A mãe compara a breve vida do bebê à de uma estrela cadente: bela e milagrosa, mas fugaz. O poeta escreve:

"Quando foi que o nosso amor por você começou? No momento em que soubemos que você existia. Embora sua vida fosse muito curta Você é para sempre uma lembrança duradoura em nossos corações."

Mais tarde, no poema, a mãe adora o bebê como uma estrela metafórica:

"Você é um feixe de luz brilhante Que acabou de passar por nós tão rapidamente Nossa pequena estrela cadente... nós sempre vamos te amar E nós vamos ver você no céu um dia."

O poema é trágico, mas glorifica o tom amoroso e a compaixão que a mãe tem pela partida de sua criança e sua esperança de vê-la no céu.

Não perca

Filtro:
  • Geral
  • Artigos
  • Slides
  • Vídeos
Mostrar:
  • Mais relevantes
  • Mais lidos
  • Mais recentes

Nenhum artigo disponível

Nenhum slide disponível

Nenhum vídeo disponível