Quais eram os dois instrumentos mais comuns na Renascença

Escrito por stephanie mitchell | Traduzido por ana wanderley
Quais eram os dois instrumentos mais comuns na Renascença
O Anjo de Melozzo da Forli está tocando alaúde (Photos.com/Photos.com/Getty Images)

Fazer música era um passatempo popular durante a Renascença. Os instrumentos mais comuns no período Renascentista podiam ser tocados como instrumento solo ou parte de um grupo, chamados Consorts. Um "consort igual" era composto por vários músicos tocando instrumentos da mesma família. Um "consort desigual" incluía diferentes tipos de instrumentos. Historiadores sabem qual era o instrumento mais comum desse período, mas existem três possibilidades para vencedor.

Alaúde

O instrumento mais comum no período Renascentista era o alaúde. Ele é um instrumento de corda com trastos como de um violão. Os primeiros alaúdes conhecidos são de 2.000 DC. Durante a era Renascentista, existiram vários instrumentos da família do alaúde, incluindo o bandolim, pandora, angelica, chittarone e tiorbas. Uma das duas diferenças entre o alaúde e o violão é que o alaúde tem dorso arredondado, enquanto o violão tem dorso plano. Durante o Renascimento, alaúdes eram tocados como instrumentos solos, como acompanhamento de cantores ou parte dos consorts.

Quais eram os dois instrumentos mais comuns na Renascença
Alaúdes eram itens comuns nas casas durante o Renascimento (Jupiterimages/Photos.com/Getty Images)

Flauta doce

O instrumento de sopro mais comum no período Renascentista era a flauta doce. O gravador Elisabetano era parecido com os gravadores modernos, mas ele era feito de madeira e vinha em diferentes tamanhos -- quanto mais longo o instrumento, mas profundo o som. Normalmente eram afinados para um tom especial e tinham apenas uma única oitava na escala. Flautas doce renascentistas eram populares como instrumentos solos e como instrumentos melódicos em consorts. Eram tão populares que o Rei Henrique VIII tinha 76 deles.

Quais eram os dois instrumentos mais comuns na Renascença
As flautas doce podiam ser compridas como 1 m e 80 cm (Creatas Images/Creatas/Getty Images)

Viola de gambá

Outro instrumento muito popular na Renascença eram as violas de gambá. Esse era um contra-baixo de corda, a escolha da época, e cumpria o papel do violoncelo ou baixo vertical nos consorts. Tinha trastos como o violão, mas ao invés de dedilhar as cordas, a viola de gambá era tocada com um arco, como os violoncelos modernos. "De gambá" significa "de perna," e o instrumento era assim chamado porque os músicos tinham que tocá-lo sentados, com o instrumento entre os joelhos.

Quais eram os dois instrumentos mais comuns na Renascença
O moderno violoncelo é um descendente da viola de gambá (Jupiterimages/Pixland/Getty Images)

Violino

O tipo mais comum de violino no período Renascentista foi a rabeca. Como as flautas doce, as rabecas vinham em diferentes tamanhos, cada uma era entonada para um conjunto diferente de agudos. Por todo lado, elas tinham de três a cinco cordas, mas a versão mais popular tinha três. Possuíam sustenido, tom agudo e eram usadas para acompanhar danças. As rabecas eram o quarto instrumento mais comum nos consorts desiguais. O estilo de tocar violino usado na música country moderna se originou nesse instrumento.

Quais eram os dois instrumentos mais comuns na Renascença
Rabecas eram tocadas com arco, como os violinos modernos (Photos.com/Photos.com/Getty Images)
Filtro:
  • Geral
  • Artigos
  • Slides
  • Vídeos
Mostrar:
  • Mais relevantes
  • Mais lidos
  • Mais recentes

Nenhum artigo disponível

Nenhum slide disponível

Nenhum vídeo disponível