Riscos das cirurgias plásticas

Escrito por sandra orozco | Traduzido por marcella narvaes
  • Compartilhar
  • Tweetar
  • Compartilhar
  • Pin
  • E-mail
Riscos das cirurgias plásticas
Os riscos de complicações pós-cirúrgicas podem ser estéticos, médicos e emocionais (Digital Vision./Digital Vision/Getty Images)

Todo ano, milhões de pessoas passam por cirurgias estéticas. De acordo com as estatísticas fornecidas pela American Society for Aesthetic Plastic Surgery (Sociedade Americana de Cirurgia Plástica Estética, tradução livre), nos Estados Unidos apenas, as pessoas gastam mais de R$ 29 bilhões por ano em uma variedade de tratamentos cirúrgicos estéticos para o rosto, seios e corpo. Quando realizados por um cirurgião qualificado, a cirurgia de sucesso pode melhorar a aparência da pessoa e talvez até a sua qualidade de vida. Contudo, as cirurgias podem dar errado algumas vezes e produzir complicações e decepções ao invés de felicidade e bem-estar. Os riscos desses tipos de cirurgia estão em três vertentes: médicos, estéticos e emocionais.

Outras pessoas estão lendo

Riscos estéticos

Dependendo do procedimento, cirurgiões plásticos usam um ou mais tipos de anestesia para relaxar e deixar o paciente entorpecido. Os quatro principais tipos de anestesia são: sedação, anestesia local, regional e geral. A sedação é administrada por uma veia e geralmente deixa o paciente relaxado, com sono, mas ainda acordado. A anestesia local também deixa o paciente acordado, já que apenas uma área pequena é adormecida. As anestesias regionais e gerais são usadas para áreas maiores do corpo, sendo que a geral deixa o paciente completamente desacordado. Apesar das complicações das anestesias serem raras, aproximadamente um em cada 250,000 morre devido à complicações relacionadas com a sedação. Muitos pacientes passam por complicações menos severas, como náusea e vômitos. Para prevenir complicações, os pacientes devem falar sobre seus históricos com cirurgias e também relatar todas as medicações que toma. Além disso, pacientes que fumam devem parar por semanas a meses antes dos procedimentos, já que o cigarro aumenta os riscos de complicações.

Sangramentos e infecções

Como qualquer outro tipo de cirurgia, a cirurgia plástica também tem riscos de hemorragias e infecções. Alguns pacientes correm um risco ainda maior de sofrer dessas complicações, por exemplo, pessoas com doenças cardíacas crônicas e pulmonares, como aqueles que sofrem de diabetes devem considerar os prós e contras dessas cirurgias com cuidado. Se por ventura, decidirem realizá-la, essas pessoas devem discutir todas as precauções a mais para diminuir o risco de sangramentos e infecções. Ás vezes, cirurgiões podem usar técnicas menos invasivas para diminuir os ricos. Além disso, os cirurgiões plásticos qualificados devem sempre monitorar cuidadosamente os sinais vitais do paciente, como o batimento cardíaco e a pressão sanguínea durante a cirurgia.

Ruptura de implantes

Cirurgias plásticas que envolvem implantes correm o risco de rupturas. Tanto implantes nos seios e Botox podem ás vezes estourar, causando um vazamento do líquido e desfiguração estética. Isso acontece devido ao envelhecimento natural dos implantes, trauma nas áreas aumentadas e defeitos de fabricação dos implantes. Enquanto na maioria dos casos de implantes, as substâncias vazadas podem ser removidas e substituídas por novos implantes, pacientes podem ficar com reentrâncias e até desfiguramentos permanentes.

Insatisfação com os resultados

Antes de passar por qualquer procedimento cirúrgico estético, os pacientes devem estar completamente conscientes dos possíveis resultados. Contudo, alguns cirurgiões deixam de informar aos pacientes uma imagem realística de como ficarão depois da cirurgia. Com isso, alguns pacientes acordam depois do tratamento apenas para descobrir que seus seios estão muito pequenos ou muito grandes, seus narizes não têm uma aparência natural ou seu rosto não mudou em nada nas rugas e linhas da testa. Esses resultados podem ser emocionalmente devastadores, por isso é crucial que o paciente escolha um cirurgião cuidadosamente. Os pacientes devem saber sobre a formação do médico, sua experiência com cirurgias e certificados. Também devem perguntar por fotos do antes e depois de pacientes que passaram pela mesma cirurgia.

Problemas emocionais

Mesmo se a cirurgia plástica for eficaz, alguns pacientes podem ás vezes passar por emoções negativas depois dos procedimentos. Se ajustar aos novos contornos do corpo exige tempo e apoio emocional da família e de amigos. Se amigos e familiares próximos forem contra a decisão do paciente ou até ridicularizar as mudanças pós-operacionais, as consequências psicológicas para o paciente podem ser devastadoras. Pacientes que sofrem mais risco de depressão pós-cirúrgica são aqueles com histórico de depressão, ansiedade e outras questões psicológicas. Eles devem discutir esses históricos com os cirurgiões, já que esses profissionais podem dar conselhos sobre como facilitar o ajuste pós-operatório.

Não perca

Filtro:
  • Geral
  • Artigos
  • Slides
  • Vídeos
Mostrar:
  • Mais relevantes
  • Mais lidos
  • Mais recentes

Nenhum artigo disponível

Nenhum slide disponível

Nenhum vídeo disponível