Mais
×

Tragédias que marcaram o mundo durante o Réveillon

Festejar a chegada de um novo ano é um evento consagrado no mundo todo, por muitos povos. Para muitos, essa festa significa a oportunidade de passar a limpo tudo o que aconteceu no ano que se vai e se preparar para mudanças no futuro. Talvez por isso, o Réveillon seja aguardado com tanta expectativa. Em várias cidades, eventos especiais são programados, nas ruas, em embarcações ou casas noturnas, em um grande momento de confraternização. Infelizmente, algumas dessas festas se transformam em tragédias, devido à ocorrência de graves acidentes. Confira algumas das mais graves já ocorridas.

No lugar de festa, eventos tiveram muitos mortos e feridos (Comstock/Stockbyte/Getty Images)

Rio de Janeiro (2000-2001)

A queima de fogos de artifício na praia de Copacabana, no Rio de Janeiro, é um dos maiores eventos de Réveillon do mundo. Milhões de pessoas rumam à cidade maravilhosa para presenciar o belíssimo espetáculo. No entanto, em 2000, o que deveria ser uma grande festa se transformou em um inferno. Uma falha na disposição dos rojões fez com que vários deles acabassem direcionados para a população que festejava na praia. Uma pessoa morreu e outras 50 ficaram feridas. Desde então, as baterias de fogos passaram a ser instaladas em várias embarcações, a cerca de 300 m da orla.

Angra dos Reis (2009-2010)

Angra dos Reis, no litoral do Rio de Janeiro, é muito procurada por turistas de todo o Brasil e mesmo do exterior, especialmente durante o verão. No dia 31 de dezembro de 2009, a cidade estava repleta de pessoas em busca de suas belezas naturais. No entanto, as chuvas que castigaram o País naquela época resultaram em uma grande tragédia. Um temporal resultou em um gigantesco deslizamento na Ilha Grande, um dos principais pontos turísticos da região. Uma pousada foi atingida, resultando na morte de 53 pessoas.

Rio de Janeiro (1988-1989)

A maior tragédia já registrada em um Réveillon no Brasil aconteceu no Rio de Janeiro. Em 31 de dezembro de 1988, o barco Bateau Mouche IV partiu para um passeio pelas proximidades da orla de Copacabana, de forma a acompanhar a queima de fogos por um ângulo privilegiado. No entanto, horas antes da virada do ano, a embarcação naufragou, resultando em 55 mortes, entre elas a da atriz Yara Amaral. Investigações apontaram superlotação: havia 150 pessoas a bordo, sendo que a capacidade máxima era de 97. Ninguém foi preso pelo incidente.

Bangcoc (2008-2009)

Morte e destruição marcaram o Réveillon em Bangcoc, capital da Tailândia, em 2008. Uma das mais badaladas discotecas da cidade, chamada “Santika”, realizava uma grande festa para celebrar a virada do ano. Tudo começou quando um painel eletrônico, que faria a contagem regressiva para 2009, apresentou pane e pegou fogo. As chamas se espalharam rapidamente pelo ambiente, resultando na morte de 61 pessoas, sendo que outras 200 ficaram feridas. A suprema ironia é que a casa noturna se mudaria para outro lugar. Por isso, os cartazes promocionais traziam um slogan que se tornaria profético: “Adeus, Santika”.

San Juan (1986-1987)

Um dos mais luxuosos hotéis do Caribe foi palco de uma grande tragédia no Réveillon de 1986. Localizado na cidade de San Juan, capital de Porto Rico, o Hotel Dupont Plaza se tornou uma imensa fogueira, que matou 97 pessoas e feriu outras 140. Foi o maior incêndio da história da ilha e o segundo maior dos Estados Unidos (Porto Rico é um protetorado norte-americano), perdendo apenas para o ocorrido em Chicago (1871), que resultou em 300 mortes. Três empregados do estabelecimento foram presos, acusados de provocar o incêndio, após não terem atendido a algumas reivindicações.

Ilha de Lewis (1918-1919)

No final de 1918, o navio Iolaire havia deixado o porto de Kyle, em Localsh (Escócia), rumo à Ilha de Lewis, também localizada no território escocês. Eram transportados 280 passageiros, a maioria soldados que haviam combatido recentemente na Primeira Guerra Mundial. No dia 31 de dezembro, a embarcação se aproximou do porto de Stornoway, onde todos celebrariam a virada do ano. No entanto, uma grande tragédia ocorreu após um violento choque contra um conjunto de rochas, ainda em alto mar. Ao todo, 205 pessoas morreram no acidente, naquele que é considerado o mais grave da história dos réveillons.

Cite this Article A tool to create a citation to reference this article Cite this Article