×
Loading ...

Como calcular a abundância relativa de um isótopo

Os isótopos de um elemento são átomos que têm uma quantidade variante de nêutrons. Enquanto os átomos do mesmo elemento têm que ter a mesma quantidade de prótons para serem classificados como mesmo elemento, o número de nêutrons pode variar. A abundância relativa de um isótopo é a porcentagem de átomos de um elemento específico que são de um certo isótopo. O isótopo de um elemento é definido por um número logo depois do nome do elemento na tabela periódica. Por exemplo, o elemento carbono sempre tem seis prótons. Os isótopos de carbono, como o carbono 12 e o carbono 14, têm números diferentes de nêutrons.

Instruções

Os átomos de um elemento têm número igual de prótons, mas podem ter números diferentes de nêutrons (Jupiterimages/Photos.com/Getty Images)
  1. Consulte a tabela periódica para determinar a massa atômica de um elemento cujos isótopos você está medindo. Também é necessário saber a massa atômica de cada isótopo medido.

    Loading...
  2. Substitua esses valores na equação: a = bx + c(1 - x), onde "a" é a massa atômica do elemento, "b" e "c" são as massas atômicas de dois isótopos e "x" é a variável desconhecida. Por exemplo, caso a massa atômica de um elemento seja 12, e dois dos seus isótopos tenham massas atômicas 14 e 6, a equação será: 12 = 14x + 6(1 - x).

  3. Resolva a equação para encontrar x. Por exemplo, descobrir x na equação 12 = 14x + 6(1 - x) consiste em: (12 - 6) / 8 = x = 0.75. Isso significa que a abundância do primeiro isótopo é 0.75 x 100 = 75%.

  4. Subtraia a abundância do primeiro isótopo de 100% para obter a abundância do segundo isótopo. Por exemplo, caso a abundância do primeiro seja 75%, então: 100% - 75% = 25%. A abundância do segundo isótopo é 25%.

Loading...

Referências

Loading ...
Loading ...