Mais
×

Dicas para abrir o apetite do seu filho e ajudá-lo a comer sem sofrimento

Com algumas dicas, as crianças passarão a comer sem manha
Getty Premium

Introdução

Um dos pesadelos dos pais é ver os próprios filhos (principalmente os pequenos) se recusarem a comer. Em muitas famílias, basta mostrar o prato de frutas, legumes ou vegetais para que a criança já faça caras e caretas. Embora a recusa constante possa ser desgastante para os pais, a dica é não perder as esperanças. Crianças gostam de brincadeiras, invencionices e novidades. Então, por que não transformar a hora da refeição em um momento lúdico e atrativo para os pequenos? Assim, você despertará na criançada o gosto pela culinária saudável. Pais, quando estiverem em dúvida, optem pela criatividade.

Dar o exemplo é um grande passo para a educação alimentar
Jupiterimages/BananaStock/Getty Images

Dê o exemplo

As crianças aprendem pelo exemplo. É observando o comportamento dos pais que os pequenos absorvem informações úteis para o próprio dia a dia. Sendo assim, é fundamental dar o exemplo aos filhos. Coma frutas e vegetais na frente da criança. Se possível, troque as sobremesas gordurosas por opções mais saudáveis. Os hábitos de toda a família influenciam o comportamento dos pequenos. Mostre para a criança que você está trocando refrigerante por água ou suco. Quando sair para comer fora, no shopping, por exemplo, consuma opções saudáveis, como comida japonesa, em vez dos fast foods.

Horários fixos ajudam a manter o hábito
Jupiterimages/liquidlibrary/Getty Images

Horários para alimentação

Para criar hábitos de alimentação saudável, é preciso manter horários fixos para as refeições. Assim, a criança aprende o horário certo de cada refeição. Nesse caso, a rotina contribui para diferenciar o horário da alimentação do tempo destinado à brincadeira. É importante diferenciar esses momentos para que a criança entenda a importância de comer. Procure fazer da hora da comida uma atividade prazerosa para ela. De vez em quando, permita comer em um lugar diferente, como na varanda ou mesmo assistindo a um filme na televisão. Mas só ocasionalmente.

Procure a quantidade certa para cada criança
Thinkstock Images/Comstock/Getty Images

Quantidade certa

Um dos desafios para os pais, principalmente os de primeira viagem, é acertar na quantidade exata de comida para os pequenos. Encher o prato deles com a esperança de que vão comer bastante não funciona. O ideal é colocar as porções de acordo com o que eles querem, o que ajuda na hora de educar a criança sobre a variedade de legumes e vegetais, por exemplo. Só sirva mais se eles pedirem. Uma boa dica é acompanhar o crescimento da criança de acordo com as observações do médico pediatra, que pode dar orientações a respeito da quantidade certa de alimentos.

Equilibre os alimentos que sejam do gosto da criança
BananaStock/BananaStock/Getty Images

Escolha balanceada

O segredo para uma educação alimentar saudável está na escolha balanceada dos alimentos. Sendo assim, não é eficaz proibir doces e exigir que a criança apenas coma frutas e verduras. Como a dieta é uma atividade muito relacionada ao prazer, é preciso moderação. Dessa forma, evite forçar o paladar infantil no caso de seu filho recusar um alimento. Afinal de contas, ninguém gosta de todos os alimentos. Troque as comidas rejeitadas por outras opções para que a criança mesma forme seus próprios gostos.

Tente trocar a barra de chocolate por opções mais saudáveis, como a melancia
Stockbyte/Stockbyte/Getty Images

Doces a favor

Eleitos os vilões da modernidade, os doces geralmente são uma opção descartável na alimentação saudável. No entanto, proibir a criança de comer doces é uma medida que só vai causar raiva nos pequenos. Em vez disso, ofereça, gradualmente, os chamados doces do bem. A frutose é o tipo de açúcar que está presente nas frutas. Uma possibilidade é servir doces feitos à base de açúcar mascavo, rico em vitaminas, cálcio, ferro e sais minerais. Outra dica é permitir, de forma esporádica, outros tipos de doces, como tortas, sorvetes e chocolates, mas concentrar a oferta em frutas diversas. Encha a geladeira de frutas saborosas em vez dos doces tradicionais.

Crianças que participam da montagem dos pratos são mais saudáveis
Digital Vision./Digital Vision/Getty Images

Cozinhe com a criança

Saber como os alimentos são feitos é um passo importante para despertar o interesse pela boa alimentação. Especialistas em comportamento infantil garantem que as crianças que participam da montagem do prato passam a se importar mais com os alimentos consumidos. Para estimular o interesse dos pequenos pela alimentação saudável, deixe-os participar da preparação da comida. Leve-os ao supermercado e ensine-os a escolher os alimentos mais adequados. Depois, com muito cuidado, deixe-os participar na hora de preparar a comida. Peça sugestões e leve-as em consideração. É uma experiência que pode transformar o gosto infantil pela boa alimentação.

A refeição em família é um momento de convivência
Visage/Stockbyte/Getty Images

Hora de comer é hora sagrada

Uma medida importante é separar a hora da comida de outras atividades da rotina dos pequenos. Faça da refeição um momento de descontração e prazer. Desligue os aparelhos digitais, a televisão e o celular e mostre para seu filho que a hora de comer é também um momento de convivência. Embora existam hoje em dia uma série de ofertas de restaurantes e cadeias de fast food, prefira a alimentação tradicional na mesa da sala. Pouco a pouco, a criança vai associar a hora da comida com a satisfação de conviver em família.

A descoberta de novos sabores está associada à cor
BananaStock/BananaStock/Getty Images

Alimentos coloridos

Está provado que o principal estímulo visual durante a infância é a cor dos objetos. Por esse motivo, cardápios que sejam ao mesmo tempo saudáveis e coloridos vão chamar a atenção dos pequenos e despertar o apetite. Tomates vermelhos, alface picado e pimentão, por exemplo, fazem parte da lista dos alimentos coloridos e importantes para a alimentação balanceada. Coloque-os separadamente no prato e deixe a criança brincar com o jogo de cores. Na hora de comer, deixe a criança misturar a comida no prato e descobrir, por conta própria, novos e deliciosos sabores.

Estabeleça os limites entre lanche e refeição
Brand X Pictures/Brand X Pictures/Getty Images

Lanche não é refeição

É importante destacar bem as diferenças entre lanches e refeições para criar na criança o hábito de se alimentar de forma saudável. Divida o dia nos três principais momentos de comer - café da manhã, almoço e jantar. Evite substituí-los por lanches. Entre as refeições, é possível oferecer alguns alimentos como frutas e iogurtes. Ao mesmo tempo, tente não ser muito rígido com seus filhos. Em ocasiões raras e especiais, como um aniversário ou outro momento especial, por exemplo, é possível substituir uma refeição por um lanche.

A informação é aliada da boa educação alimentar
Jupiterimages/Photos.com/Getty Images

Educação alimentar

O mais importante no que diz respeito à alimentação infantil é desenvolver a educação alimentar. Assim, a criança cria hábitos saudáveis que serão mantidos por toda a vida. Claro que, nesse meio tempo, os pequenos podem rejeitar algum tipo de comida, geralmente pelo aspecto do alimento. Nesses casos, invista na mistura de alimentos. Crie um prato rico e diverso. Se os pequenos rejeitam brócolis, por exemplo, tente oferecer misturas como brócolis com arroz ou bolinhos de brócolis, sempre explicando a importância de se consumir determinado tipo de alimento. A informação é aliada da boa educação alimentar.