Diferenças entre a respiração interna e a externa

Escrito por liz veloz | Traduzido por lara scheffer
Diferenças entre a respiração interna e a externa
Os pulmões são os principais órgãos envolvidos na respiração da maioria dos animais (Image by Flickr.com, courtesy of Rob and Stephanie Levy)

Dividir o processo da respiração em duas categorias, interna e externa, pode ajudar a esclarecer algumas das complexidades desse processo biologicamente importante. Juntas, as diferentes partes da respiração permitem que os organismos realizem as trocas gasosas com seus ambientes e convertam a energia em uma forma que seja utilizável pelas células.

Importância

Todos os organismos vivos realizam alguma forma de respiração para gerar energia e trocar gases.

Respiração externa

A respiração externa na maioria dos organismos é realizada através da inalação e exalação.

Respiração interna

A respiração interna tem duas partes: a troca gasosa e a respiração celular, uma reação química onde o açúcar é convertido em energia química.

Troca gasosa

A troca gasosa, ou troca de dióxido de carbono por oxigênio, ocorre em animais através de uma superfície respiratória. Nos humanos, esta são os finos capilares de nossos pulmões. Nos peixes, ela ocorre através das guelras, e alguns organismos trocam os gases através da pele. Nas plantas, essa troca ocorre através de poros nas folhas, chamados de estômatos.

Respiração celular

A respiração celular, a segunda fase da respiração interna, é uma reação química que requer que o oxigênio transforme o açúcar na energia química que as células precisam para funcionar. O dióxido de carbono é produzido durante essa conversão e, então, é eliminado.