A história do gravador de fitas

Escrito por denise sullivan | Traduzido por rafael reis
  • Compartilhar
  • Tweetar
  • Compartilhar
  • Pin
  • E-mail
A história do gravador de fitas
Os gravadores de fita capturam, armazenam e reproduzem o áudio contido em uma fita magnética (magnetic tape image by Sergej Razvodovskij from Fotolia.com)

Os gravadores de fita capturam, armazenam e reproduzem o áudio contido em uma fita magnética. Originalmente, os gravadores de fita eram máquinas volumosas que exigiam duas bobinas grandes de fita. Hoje, a maioria dos gravadores usam fitas cassetes compactas para armazenar o som. O desenvolvimento dos gravadores transformou a indústria do rádio e da televisão, tornando possível preparar um programa à frente do tempo ao invés de transmiti-lo ao vivo.

Outras pessoas estão lendo

Função

Os gravadores de fita cassete são baseados nos mesmos princípios dos gravadores de fio magnético do século XIX. Um fio magnetizado ou rolo de fita passa por um cabeçote a uma velocidade contínua. O cabeçote de gravação recebe um sinal elétrico que corresponde ao som que está sendo gravado. Enquanto a fita passa através do cabeçote, ela é magnetizada em um padrão que representa o sinal elétrico. Quando a fita é tocada, o cabeçote lê o padrão magnetizado e o converte de volta em sinal elétrico.

Gravadores de fitas de aço

Os primeiros gravadores usavam uma fita de aço ao invés de um fio. O mais antigo gravador de fita de aço, chamado de "Blatterphone," foi desenvolvido em 1929 pela Ludwig Blattner Picture Corp. Em 1932, um gravador de fitas de aço da Marconi-Stille foi usado pela British Broadcasting Co. para sua primeira transmissão de rádio pré-gravada. Este tipo de gravador possuía muitas desvantagens que limitavam sua popularidade. A qualidade do áudio era ruim, os rolos de fita eram volumosos e pesados, e a fita de aço por si só era afiada e podia ferir as pessoas se se partisse e escapasse dos rolos em alta velocidade.

Inovações alemãs

As companhias alemãs BASF e AEG trabalharam juntas para desenvolver o primeiro gravador de fitas moderno nos anos 30. Ao invés de um cabeçote de gravação afiado e pontiagudo, o gravador alemão usava um cabeçote anelar que não danificava a fita enquanto esta passava por ele. Os alemães também desenvolveram a técnica de polarização AC (corrente alternada) para melhorar a qualidade do som. Na polarização AC, um sinal de alta frequência é adicionado ao áudio que está sendo gravado. Este sinal otimiza a frequência da fita magnética quando ela é reproduzida.

Inovações americanas

Depois da segunda guerra, engenheiros americanos tinham muitos gravadores alemães apreendidos para estudar e aperfeiçoar. Em 1948, a Ampex criou o Model 200, que revolucionou a indústria do entretenimento. Este gravador foi usado para produzir a primeira transmissão de rádio gravada nos Estados Unidos. Enquanto a Ampex estava desenvolvendo seus gravadores, a Minnesota Mining and Manufacturing estava trabalhando duro para criar uma fita magnética confiável. O artista americano Bing Crosby foi fundamental para ajudar a Ampex a dominar o mercado de gravações em fita. Ele ficou tão impressionado com o potencial dos gravadores de fitas magnéticas que investiu 50.000 dólares na companhia.

Gravadores de fita cassete

Em 1963, a Philips apresentou a fita cassete, e a popularidade dos gravadores de fitas disparou. A companhia optou por licenciar seu formato cassete para outras companhias sem custo, fazendo deste aparelho a mídia primária para a gravação de áudio ao redor do mundo. Isto rapidamente se tornou um método conveniente de se vender músicas pré-gravadas, ultrapassando o LP de vinil e sobrevivendo à era do CD. Gravadores de fita cassete portáteis como o Sony Walkman permitiram ouvir e gravar áudio em qualquer lugar.

Não perca

Filtro:
  • Geral
  • Artigos
  • Slides
  • Vídeos
Mostrar:
  • Mais relevantes
  • Mais lidos
  • Mais recentes

Nenhum artigo disponível

Nenhum slide disponível

Nenhum vídeo disponível