Como lidar com a distrofia simpático-reflexa

Escrito por sky martin | Traduzido por fabiana silva
  • Compartilhar
  • Tweetar
  • Compartilhar
  • E-mail

A distrofia simpático-reflexa, ou D.S.R., é uma doença progressiva e perigosa que afeta o sistema nervoso autônomo. Ela pode se desenvolver em qualquer idade e a ciência médica ainda tem muito a desvendar de seus mistérios. Algumas pessoas desenvolverão a D.S.R. depois de um ferimento na mão ou no pé, porém, ela não está limitada aos membros, podendo afetar qualquer parte do corpo e pode ser desencadeada por lesões leves, como um entorse ou corte. Normalmente, depois que um ferimento cicatriza, o cérebro simplesmente "esquece" a dor que você teve. Na D.S.R., há uma anomalia em algum lugar nas vias nervosas que cria um caos nos sinais nervosos, causando uma infinidade de sintomas. O membro que foi afetado fica inchado e muito sensível ao menor toque. Outros sintomas incluem dor intensa, sudorese, rigidez e alterações de cor. Aqui você encontrará algumas informações para ajudá-lo a lidar com essa doença frustrante.

Nível de dificuldade:
Desafiante

Outras pessoas estão lendo

Instruções

  1. 1

    Discuta com um médico um plano que seja adaptado para sua condição. Ele poderá ajudá-lo a encontrar o tratamento mais eficaz disponível e também fornecerá referências de médicos especialistas em dor.

  2. 2

    Marque uma consulta com um médico que trata da dor. Ele discutirá com você sobre o procedimento de bloqueio dos nervos simpáticos, que ajuda a interromper os sinais de dor que estão sendo enviados para o membro afetado.

  3. 3

    Aprenda um novo hobby. A D.S.R. é uma doença que causa muito sofrimento e dor e você terá de encontrar formas para canalizar seus sentimentos. Até que entre em remissão, é possível que cause dores severas que podem afetar sua qualidade de vida. Tente encontrar uma maneira de superar esses momentos difíceis. Alguns pacientes pintam, desenham, costuram ou montam quebra-cabeças para tentar se distrair da dor que estão sentindo.

  4. 4

    Conheça outras pessoas que também tenham sido diagnosticadas com D.S.R. Apoiem um ao outro nos momentos de crise. Essa doença causa muitas noites insones, e ter um amigo com quem conversar é muito útil nessas horas. Encontre alguém com quem se sinta confortável.

  5. 5

    Inscreva-se em um programa de fisioterapia. O profissional dessa área poderá indicar exercícios que podem prevenir a rigidez. Você deve usar seu membro afetado pela D.S.R. o máximo possível. Comprometa-se com seu esquema de exercícios e dedique uma hora para realizá-los. Isso assegurará que seu membro permaneça o mais flexível possível e com mobilidade.

  6. 6

    Tente usar o membro afetado o máximo possível. Instintivamente, quando sentimos dor não utilizamos a parte do corpo afetada. Essa noção pode ser prejudicial quando se trata dessa doença. Não usar o membro afetado pela D.S.R. pode agravar a dor e criar uma rigidez tão grave que pode levar à perda dos músculos e tecidos. As articulações também podem mostrar sinais de osteoporose.

  7. 7

    Siga o seu horário de medicação e não perca nenhuma dose. Se os medicamentos não estiverem funcionando, discuta isso com o médico. Existem muitos medicamentos orais que são úteis para tratar a dor neuropática. Discuta o uso de narcóticos com seu médico. Alguns pacientes têm medo de tomar narcóticos por medo do vício, e o uso dessas substâncias sempre foi controverso porque apresenta resultados em alguns pacientes, mas não em outros. Saiba que problemas de vício são improváveis quando a medicação é tomada conforme prescrita.

Dicas & Advertências

  • Não desista. A D.S.R. é uma batalha difícil de ser travada, mas pode ser feita.
  • Mantenha um diário. Isso o ajudará a desabafar suas emoções nos momentos mais difíceis, quando se sente como se ninguém entendesse o que está passando.
  • Informe sua família. Talvez eles não entendam como você pode sentir tanta dor se não há uma lesão visível.

Não perca

Filtro:
  • Geral
  • Artigos
  • Slides
  • Vídeos
Mostrar:
  • Mais relevantes
  • Mais lidos
  • Mais recentes

Nenhum artigo disponível

Nenhum slide disponível

Nenhum vídeo disponível