Limitações do CAPM

Escrito por micah mcdunnigan | Traduzido por guilherme maluf
  • Compartilhar
  • Tweetar
  • Compartilhar
  • Pin
  • E-mail
Limitações do CAPM
CAPM é um modelo que investidores usam para prever o comportamento do mercado (Jupiterimages/Comstock/Getty Images)

O modelo de precificação de ativos financeiros (CAPM, na sigla em inglês) é uma ferramenta que investidores e conselheiros financeiros usam para tentar determinar como os investimentos se comportarão e, assim, precificá-los e cobrá-los de acordo. No entanto, como todos os modelos matemáticos que tentam prever o que acontecerá no mundo real, ele possui algumas limitações de metodologia.

Outras pessoas estão lendo

Teoria do portfólio

Os fundamentos da metodologia do CAPM vêm da teoria do portfólio de William Sharpe, que introduziu os conceitos de "risco sistêmico" e "não sistêmico" no mercado de investimentos. O risco sistêmico, ou de mercado, é o perigo de perder parte do investimento inerente ao mercado inteiro de ações. Riscos não sistêmicos são os associados com a perda de valor de um determinado investimento. Esses conceitos geraram a teoria de portfólio moderna, que diz que um portfólio muito diversificado está protegido do risco não sistêmico.

Definição de CAPM

O CAPM se estrutura na teoria do portfólio ao tentar especificar os riscos sistêmicos, que não são diluídos pela diversificação, e riscos não sistêmicos. Ele faz isso analisando os riscos de uma ação específica no contexto de volatilidade do mercado como um todo. A teoria gira em torno de uma equação que estipula o retorno esperado do investimento, na qual seu termo mais importante é um representante da reação desse investimento nas mudanças do mercado. Este termo é frequentemente chamado de "beta".

Limitações

Suas suposições metodológicas são a causa da maioria das limitações da teoria. O principal componente da equação, a volatilidade relativa do investimento, exige uma capacidade de medir a volatilidade do mercado como um todo e, para isso, seria necessário analisar a volatilidade de cada um dos investimentos possíveis do mercado. Isso é impossível. Quem aplica o modelo CAPM usa um índice, como o Ibovespa, para representar a volatilidade geral do mercado, mas que não representa a medida real que o modelo exige para ser preciso. Assim, o CAPM só consegue chegar a previsões aproximadas.

Riscos como medida de desempenho

Para o CAPM, o nível de risco de uma ação determina o porquê de uma ação ter desempenho maior do que outra. Isso significa que, de acordo com o modelo, uma ação mais arriscada trará maiores retornos financeiros do que uma mais segura. O CAPM representa esse fator de risco no beta. No entanto, pesquisas questionam essa premissa e os professores Eugene Fama e Kenneth French estudaram o retorno de ações nos três maiores mercados de ações entre 1963 e 1990 e perceberam que a diferença no beta da ação, que o CAPM diz que é o que determina o retorno da ação, não explicou os ganhos diferentes para os investidores.

Não perca

Filtro:
  • Geral
  • Artigos
  • Slides
  • Vídeos
Mostrar:
  • Mais relevantes
  • Mais lidos
  • Mais recentes

Nenhum artigo disponível

Nenhum slide disponível

Nenhum vídeo disponível