Neuropatia tóxica e inflamatória

Escrito por suzanne fantar Google | Traduzido por jesse mourao
  • Compartilhar
  • Tweetar
  • Compartilhar
  • Pin
  • E-mail
Neuropatia tóxica e inflamatória
Imagem de cérebro humano (comunicar image by caironbohemio from Fotolia.com)

Como quaisquer outros tecidos vivos, os nervos estão sujeitos a vários tipos de doenças, incluindo doenças inflamatórias, tóxicas, traumáticas, metabólicas, genéticas ou neoplásicas (como tumores). Apesar das semelhanças importantes, as neuropatias tóxicas e inflamatórias diferem em suas causas e padrões.

Outras pessoas estão lendo

Anatomia e função da célula nervosa

Os neurônios sensoriais retransmitem a informação recebida do sistema nervoso central (SNC), enquanto que os neurônios motores transportam os comandos do SNC para músculos e glândulas. A estrutura de todos os neurônios inclui um corpo celular, um axônio e os dendritos. O corpo celular contém o núcleo e outras subunidades denominadas organelas. Os dendritos são extensões celulares curtas que recebem os sinais provenientes de outros neurônios, ao passo que a fibra mais longa, o axônio, transmite informação. Camadas isolantes da bainha de mielina podem envolver o axônio.

Classificação das neuropatias

O Medscape estuda as neuropatias sensorial ou motora, dependendo do tipo de neurônio afetado. A neuropatia que afeta os nervos dentro do cérebro é considerado craniana, enquanto a neuropatia periférica refere-se a perturbações dos nervos localizados fora do cérebro e da medula espinhal. Os médicos também podem basear a descrição de uma neuropatia baseada em recursos de diagnóstico, ou na sua localização dentro de um nervo. Por exemplo, na neuropatia desmielinizante (mielinopatia), a bainha de mielina é danificado, ao passo que na neuropatia axonal (axonopatia ), os axônios são degenerados.

Causas da neuropatia tóxica

O Medscape descreve três categorias de neuropatia tóxica: neuropatia do corpo celular, mielinopatia e axonopatia distal. Todas elas podem resultar da ingestão ou abuso de várias drogas e produtos químicos, bem como da exposição a toxinas do ambiente ou local de trabalho. Os inúmeros potenciais culpados incluem o chumbo, o arsênico, o mercúrio inorgânico, o componente xileno de tintas e os medicamentos cardíacos perexilina ou amiodarona.

Causas da neuropatia inflamatória

De acordo com o "Robbins & Cotran Pathologic Basis of Disease", agentes infecciosos e determinados mecanismos imunológicos podem provocar neuropatia inflamatória aguda ou crônica. Com a inflamação, as células brancas do sangue e produtos químicos infiltram-se em várias áreas de nervos, causando desmielinização e disfunção. Embora a maioria dos casos tenha causas desconhecidas, o Medscape associa alguns casos a doenças como hepatite B ou C, infecção pelo HIV e lúpus eritematoso sistêmico.

Sinais e sintomas

De acordo com o Medscape, pacientes com neuropatia sentem dor, formigamento ou dormência, geralmente começando em suas mãos ou nos pés, e se espalhando em direção ao centro do corpo. Outros sintomas podem incluir fraqueza muscular, marcha instável, distúrbios de frequência cardíaca e perda de reflexos. Na neuropatia tóxica, os sintomas dependem da intensidade e da duração da exposição a uma toxina. Em "Robbins & Cotran Pathologic Basis of Disease", o Dr. Vinay Kumar e seus colegas associam a neuropatia inflamatória aguda com a rápida paralisia ascendente, enquanto os pacientes com neuropatia inflamatória experimentam surtos crônicos de sintomas mais leves e remissões ao longo de vários anos.

Procedimentos diagnósticos

A eletromiografia (EMG) e os estudos de condução nervosa (ECN) são testes fundamentais para o diagnóstico de neuropatia tóxica ou inflamatória. Exames laboratoriais, exames de imagem, biópsias de tecidos e histórico completo do paciente também são aspectos importantes do processo de diagnóstico.

Opções de tratamento

Para os casos de neuropatia tóxica, o Medscape aconselha o afastamento do local de trabalho ou de ambiente em que houve a exposição, e a interrupção da medicação. Outras opções incluem: mudanças na dieta, banhos frios, calor, massagem, exercícios, ácido lipóico, prímula, suplementos vitamínicos, opiáceos e creme de capsaicina tópica. Antidepressivos e anticonvulsivantes são as opções farmacológicas para as neuropatias tóxica e inflamatória. Além disso, os tratamentos que modulam a resposta imunológica podem aliviar a neuropatia inflamatória, diz o Medscape.

Não perca

Filtro:
  • Geral
  • Artigos
  • Slides
  • Vídeos
Mostrar:
  • Mais relevantes
  • Mais lidos
  • Mais recentes

Nenhum artigo disponível

Nenhum slide disponível

Nenhum vídeo disponível