Remédios para dor na parte mais baixa da pelve

Escrito por m. gideon hoyle | Traduzido por anderson gandor
  • Compartilhar
  • Tweetar
  • Compartilhar
  • Pin
  • E-mail
Remédios para dor na parte mais baixa da pelve
Medicamentos para dor pélvica variam de analgésicos e anti-inflamatórios até intervenção cirúrgica de emergência (Comstock/Comstock/Getty Images)

A dor na parte mais baixa da pelve é um sintoma de diversas dificuldades médicas, incluindo desordens ginecológicas, incômodo gastrointestinal, problemas urinários, musculoesqueletais e danos nervosos. Enquanto algumas fontes de desconforto são relativamente menores, outras condições se qualificam como verdadeiras emergências médicas.

Outras pessoas estão lendo

Quando procurar tratamento

Se tiver dor na parte mais baixa da pelve, faça o possível para notar o tipo e a intensidade dela, que pode ser constante ou intermitente, leve ou aguda e repentina, gradual ou fixa. O nível de pico da dor pode variar de leve a severo. Você também pode notar que ela piora durante certas atividades, como sexo ou ao urinar, ou em certos períodos do dia ou do mês. Consulte seu médico se a dor piorar progressivamente ou alterar seu dia a dia. Dores severas e repentinas podem indicar uma séria ameaça para a sua saúde. Vá ao médico imediatamente se estiver com esses sintomas.

Tratando as causas reprodutivas da dor

Se você é mulher, a dor pode estar relacionada a desordens no aparelho reprodutivo. Infecções vaginais pode ser causadas por leveduras, vírus e bactérias e são tratadas com medicamentos adequados a cada condição. Os tratamentos possíveis incluem pomadas tópicas, supositórios e antibióticos. Se você estiver com dismenorreia ou severa dor menstrual, o tratamento inclui medicamentos anti-inflamatórios não esteroides (NSAID) e o uso de pílulas anticoncepcionais. No caso da endometriose, ou do crescimento do tecido endometrial fora do útero, a dor pode ser abordada através de tratamentos hormonais para reduzir o crescimento do tecido. A dor pélvica aguda pode indicar a ruptura dos tubos de Falópio por gravidez ectópica (em lugar anormal). Seu ginecologista deverá checar essa possibilidade e, se ela for confirmada, será necessária uma cirurgia de emergência para evitar complicações potencialmente fatais. Outras causas sérias de dores aguda na pelve incluem complicações císticas ovarianas, câncer avançado e doença inflamatória do pelve (PID). Para reduzir os riscos de desenvolver essas condições, faça visitas ao ginecologista e testes regulares para DSTs. Além disso, testes caseiros de gravidez em intervalos de seis meses podem aumentar as chances de detecção da gravidez ectópica. O ginecologista pode indicar outras medidas preventivas.

Tratando as causas não reprodutivas da dor

Comumente, as causas não reprodutivas da dor pélvica incluem diverticulite (inflamação anormal no cólon sigmoide), constipação, pedras nos rins, infecção do trato urinário, doença inflamatória do intestino, espasmos musculares, hérnias de disco na zona lombar e hérnias intestinais. Causas mais sérias incluem o câncer de cólon e doenças na próstata. Através de exames físicos e testes, seu médico irá determinar a causa específica da sua condição e propor um tratamento. Em alguns casos, a dor irá requerer um rápido tratamento cirúrgico. Exemplos nessa categoria incluem inflamação ou ruptura do apêndice (apendicite) e peritonite, uma infecção resultante da ruptura do peritônio, uma membrana protetora da cavidade abdominal. Causas potenciais incluem diverticulite, trauma, apendicite ou qualquer outra dano ao trato intestinal. A peritonite também pode resultar em uma gravidez ectópica PID ou cistos ovarianos rompidos. O médico irá informar se uma cirurgia for necessária.

Não perca

Filtro:
  • Geral
  • Artigos
  • Slides
  • Vídeos
Mostrar:
  • Mais relevantes
  • Mais lidos
  • Mais recentes

Nenhum artigo disponível

Nenhum slide disponível

Nenhum vídeo disponível