Como a topografia influencia o clima?

Escrito por forest time | Traduzido por angela spada
Como a topografia influencia o clima?
As variações de elevação são um fator determinante de onde ocorrerá precipitação de chuva e a neve (copper mountain,colorado,rocky mountains,mountain, image by Earl Robbins from Fotolia.com)

A topografia da superfície terrestre é um dos fatores primários causadores de nosso clima diário. As variações de elevação, especialmente ao redor de altas cadeias de montanhas, determinam a distribuição da precipitação pluviométrica em nosso planeta. Massas de água, em especial nossos oceanos, moldam os climas e criam sistemas de alta e baixa pressão que provocam os eventos climáticos.

Água versus terra: aquecimento diferencial dos materiais da superfície

O aquecimento diferencial dos materiais da superfície terrestre ajuda a criar sistemas climáticos. A água esquenta e esfria de forma muito mais lenta do que o solo. Quando o sol brilha, as massas de ar sobre a terra se tornam mais quentes do que aquelas sobre a água. Isso cria "pontos quentes" ou áreas de baixa e alta pressão. Essas áreas -- cujos extremos são referidos como frentes frias e quentes -- se deslocam ao redor do planeta impelidas pelos ventos prevalentes, criando aspectos climáticos tais como nível de precipitação, velocidade e direção dos ventos, temperatura e grau de cobertura de nuvens.

Água versus terra: clima e temperatura

A topografia de uma área também ajuda a determinar o clima. Isso porque as correntes oceânicas transportam massas de ar quente ou frio para localizações costeiras. Por exemplo, em grande parte da costa leste dos Estados Unidos as temperaturas são mais quentes por causa da corrente do Golfo, que é quente. Em contrapartida, no estado do Maine as temperaturas são mais frias porque a corrente do Golfo não alcança o extremo norte daquele local. Em vez disso, esse estado é afetado pela corrente do Labrador, que transporta massas de ar frio do norte. As áreas próximas aos oceanos e grandes lagos mostram variações menores de temperatura do que as continentais ou sem acesso ao mar.

Água versus terra: precipitação pluviométrica

É mais provável que as áreas costeiras tenham maior precipitação pluviométrica do que as continentais porque há mais vapor nas massas de ar sobre a água. Quando se deslocam sobre a terra, essas massas se aquecem e se elevam. À medida que sobe, o ar esfria e o vapor d'água se condensa, formando nuvens e precipitação. A causa principal de um clima diário, seja chuva ou neve, é a proximidade de um curso d'água. Da mesma forma, em ambientes desérticos, é baixa a precipitação pluviométrica.

Elevação: o lado de onde sopra o vento

Os índices de precipitação também são influenciados pela elevação. Quando uma massa de ar incide em uma cadeia de montanhas, é forçada a subir. Ao se elevar, esfria-se e as moléculas de água em seu interior se condensam -- um processo conhecido como resfriamento adiabático. O vapor condensado forma nuvens e gotículas d'água, resultando em precipitação. No lado de uma cordilheira que recebe vento e massas de ar, ou barlavento, que é o lado de onde sopra o vento, o volume de precipitação é grande. Um exemplo é o que ocorre em Seattle, Washington, nos Estados Unidos, que mostra níveis elevados de precipitação por situar-se a barlavento das Montanhas Cascade.

Elevação: o lado contrário ao que sopra o vento

Assim como as cordilheiras ajudam a criar o volume de precipitação a barlavento, normalmente a precipitação é baixa nos lados opostos, ou seja, a sotavento, porque as massas de ar que se deslocam sobre as montanhas precipitaram a umidade no lado da a barlavento da montanha. Dizem que os lados a sotavento são "a sombra da chuva". Por exemplo, muitas áreas a leste das Montanhas Rochosas mostram baixa precipitação pluviométrica em consequência da topografia da vizinhança.

Filtro:
  • Geral
  • Artigos
  • Slides
  • Vídeos
Mostrar:
  • Mais relevantes
  • Mais lidos
  • Mais recentes

Nenhum artigo disponível

Nenhum slide disponível

Nenhum vídeo disponível