Quais tipos de vinho tinto são doces?

red wine image by Roman Sigaev from Fotolia.com

Na termologia de vinhos, o conteúdo de açúcar no vinho é conhecido como açúcar residual e é medido em porcentagens. Todos os vinhos tintos, sejam doces ou não, tem açúcar residual perto de zero. A diferença entre um vinho tinto doce ou seco é o nível de taninos.

Merlot

Qualquer vinho rotulado como Merlot é, geralmente, um vinho doce. Merlot é a variedade de uvas usadas na fabricação do vinho e, atualmente, já é cultivada em todo o mundo. Uvas Merlot têm sabores leves e contém menos taninos do que a maioria das outras uvas, e por isso possui um toque suave e com sabor de frutas, incluindo ameixa e bagas.

Mesmo não muito doce, o Merlot é um vinho muito mais suave do que outro que tenha muito tanino, como o Cabernet Sauvignon. O Merlot é um ótimo acompanhamento para carnes vermelhas e brancas, perus, costeletas de porco e frango.

Chianti

Chianti é um vinho mesclado da Italia, sendo feito principalmente de uvas Sangiovese de tipos variados misturadas com uvas Canaiolo, Colorino, Carbenet Sauvignon e Merlot. Somente vinhos Chianti fabricados com uvas cultivadas na região de Chanti podem ser denominados como tal.

Como o Merlot, o Chianti é adocicado e tem poucos taninos, sendo portanto mais doce do que vinhos tintos secos. Mesmo doce, ele tende a ter um sabor apimentado, e notas características de café, tabaco ou cereja e ameixas. O sabor picante combina com a maioria das massas e pratos de carnes temperadas.

Shiraz/Syrah

Shiraz, feito com a uva Syrah, é produzido somente na Australia, mesmo que o resto do mundo refira-se a ele simplesmente como Syrah. Assim como o Chanti, o vinho Shiraz é picante com sabores de fruta, tem poucos taninos e é suave. Apesar de ser light, ele combina com uma grande variedade de comidas fortes, incluindo carnes vermelhas e culinárias bem temperadas, como a italiana e a oriental.

Vinhos de sobremesa

Vinhos tintos de sobremesa estão entre as variedades mais doces de vinho disponíveis, por causa do processo de fortificação. A maioria dos vinhos de sobremesa, como o Porto ou o Sherry, não são puros, e sim misturados com licor.

O Porto, o mais doce dos dois, é feito de uvas doces do Vale Douro de Portal. Depois de somente alguns dias, a fermentação do vinho é parada e é adicionada aguardente para criar um sabor doce diferente, denso e de características ricas, assim como um conteúdo alcoólico acelerado. Por causa da interrupção da fermentação, os açúcares naturais da uva não fermentam totalmente e, portanto, permanecem no vinho.

O vinho Sherry também é fortificado com aguardente, porém as uvas são totalmente fermentadas antes da adição, e isso faz com que ele seja menos doce do que o vinho do Porto. Vinhos de sobremesa geralmente são servidos como aperitivo antes das refeições, mas também são servidos junto com as sobremesas ou depois da refeição para ajudar na digestão.

×