Mais
×

10 lugares que você precisa visitar em Paris

Luciano Mortula/iStock/Getty Images

Introdução

Como no filme "Paris, Te Amo" ("Paris, je t'aime", 2006), é fácil ficar fascinado pela cidade do amor. A boemia e seus cafés se misturam com os movimentos multiculturais e a vanguarda, caracterizando assim as ruas da capital francesa – a terceira maior cidade da Europa e sede de importantes organizações, como a Unesco e a OCDE (Organização para a Cooperação e o Desenvolvimento Econômico) – e deixando uma impressão única no visitante. Paris ainda oferece diversas maravilhas, algumas à primeira vista e outras nem tanto, porém todas encantadoras. Aqui, você encontra dez desses lugares que não pode deixar de conhecer se for à cidade luz.

Uma das avenidas arborizadas para desfrutar o Jardim das Tulherias
Medioimages/Photodisc/Digital Vision/Getty Images

Jardim das Tulherias

Localizado entre o Museu do Louvre e a Praça da Concórdia, o Jardim das Tulherias (em francês: Jardin des Tuileries) é um dos maiores e mais famosos parques públicos da França. O jardim fazia parte do Palácio das Tulherias, que desapareceu depois de um incêndio criminoso e de sua posterior demolição no final do século 19. O Musée de l'Orangerie e o Jeu de Paume, sedes de importantes exposições de arte contemporânea, estão situados em dois pavilhões dentro do parque, que oferece uma esplêndida perspectiva dos Champs-Élysées, do arco do Triunfo e do Grande Arco de la Défense.

Arco do Triunfo ao anoitecer
NA/AbleStock.com/Getty Images

Arco do Triunfo

"Vocês voltarão sob arcos triunfais", disse Napoleão aos seus soldados depois da vitória na Batalha de Austerlitz, em 1805. Da mesma forma, com o espírito dessa promessa, foi concebida a construção do arco mais conhecido do mundo, o "Arc de Triomphe" ou Arco do Triunfo. Localizado na praça Charles de Gaulle, no oeste da avenida Champs-Élysées, o Arco do Triunfo é uma visita obrigatória para quem está de passagem por Paris.

Vista da Torre Eiffel durante o pôr do sol
Jupiterimages/Photos.com/Getty Images

Torre Eiffel

Uma das maravilhas do mundo moderno, a Torre Eiffel é o símbolo mais conhecido de Paris. Desenhada por Gustave Eiffel para a Exposição Universal de 1889, media originalmente 300 metros, ampliados posteriormente para 325 metros depois da instalação de uma antena. Durante 40 anos, foi a estrutura mais alta do mundo, até que o edifício nova-iorquino Chrysler a superou em 1930. A ponto de ser demolida em 1900, o exército a salvou por considerá-la um lugar privilegiado para realizar transmissões de rádio. Atualmente, é a emissora de diversos programas de rádio e televisão.

Casal passeia de mãos dadas na "Place de la Concorde" ou Praça da Concórdia
Digital Vision./Photodisc/Getty Images

Praça da Concórdia

Situada no começo da Avenida dos Campos Elíseos no 8° Distrito de Paris, a "Place de la Concorde" ou Praça da Concórdia é a segunda maior praça da França depois da de Quinconces, em Bordéus. Chamada antigamente de Praça de Luís 15 e, depois, de Praça da Revolução, tem um papel importante na Revolução Francesa. Nela, Luís 16 e Maria Antonieta tiveram um final trágico, quando foram executados na guilhotina.

Victor Hugo escolheu a catedral de Notre Dame como o cenário de uma das obras do romantismo francês mais conhecidas internacionalmente: Nossa Senhora de Paris, também conhecida por Corcunda de Notre Dame
NA/AbleStock.com/Getty Images

Notre Dame

É por causa da Virgem Maria que a célebre catedral parisiense recebeu seu nome: Notre Dame (Nossa Senhora, em francês). Ela é conhecida internacionalmente por ser uma das catedrais góticas mais antigas e o cenário de uma das obras de Victor Hugo, Nossa Senhora de Paris, mais conhecida como O Corcunda de Notre Dame. A famosa catedral encontra-se na pequena ilha de Cité, banhada pelas águas do rio Sena.

Basílica de Sacre Coeur
Goodshoot/Goodshoot/Getty Images

Basílica de Sacre Coeur

Inspirada na arquitetura romana e bizantina, a Basílica do Sagrado Coração, ou do "Sacre Coeur", coroa a colina de Montmartre. Esse edifício religioso, construído entre os séculos 19 e 20, se ergueu em homenagem à memória dos cidadãos que morreram durante a Guerra Franco-Prussiana com o objetivo de pagar os pecados cometidos pela Comuna de Paris.

Museu do Louvre: modelo e precedente de todos os grandes museus nacionais europeus e norte-americanos
John Foxx/Stockbyte/Getty Images

Museu do Louvre

Diversos tesouros culturais, obras artísticas que se destacam pela beleza e singularidade, como Gioconda de Leonardo Da Vinci, esperam os turistas assim que passam pelas portas de um dos museus mais importantes e impressionantes do mundo: o Louvre. Dedicado à arte pré-impressionista, suas portas foram abertas ao público em 1793, um marco na história dos museus por se tratar da transição das coleções particulares das classes altas para as galerias públicas.

"A evolução da cidade de Paris e sua história podem ser contempladas percorrendo as margens do Sena", Unesco
Thinkstock/Comstock/Getty Images

As margens do Sena em Paris

Das margens do Sena, é possível ver alguns dos mais belos monumentos parisienses, como a Torre Eiffel, a Catedral de Notre Dame ou suas pontes históricas. Ambas as margens, junto com os edifícios emblemáticos que se misturam à paisagem do Sena, formam parte do patrimônio mundial da Unesco desde 1991.

Grande Palácio de Belas Artes visto do Sena
Hemera Technologies/Photos.com/Getty Images

O Grande Palácio de Belas Artes

O "Grand Palais des Beaux-Arts", ou "Grand Palais des Champs-Elysées", é uma obra arquitetônica singular que compõe um ambiente monumental destacado com o "Petit Palais" e a Ponte Alexandre 3°. Sede da Exposição Universal de 1900, é marcado por implementar técnicas inovadoras, como o uso do concreto armado, a estrutura de ferro e aço à mostra e a abóbada de cristal.

"Conciergerie", um palácio transformado em prisão
Comstock/Comstock/Getty Images

A Conciergerie

Durante a Revolução Francesa, Maria Antonieta passou seus últimos dias neste palácio transformado em prisão. A "Conciergerie" também é conhecida como o "Palais de la Cité" e atual Palácio da Justiça, na plataforma do relógio, na Ilha de Cité. Foi a residência de diversos reis entre os séculos 10 e 14 até que, em 1392, foi transformado em prisão governamental depois de abandonado por Carlos 5.