Características de um limite transformante

Escrito por david foulds | Traduzido por alexandre amorim
  • Compartilhar
  • Tweetar
  • Compartilhar
  • Pin
  • E-mail
Características de um limite transformante
A falha de San Andreas é uma falha transformante (Thinkstock/Comstock/Getty Images)

A crosta terrestre, conhecida como litosfera, é feita de segmentos com forma irregular, chamados placas. Elas possuem cerca entre 7 e 65 km de espessura, e se movem em correntes convencionadas que são geradas pelo núcleo da terra. Esse movimento mudou drasticamente as formas dos nossos continentes, assim como criou e destruiu oceanos; e construiu montanhas. O local onde essas placas se encontram se chamam "falhas". Falhas transformantes são um tipo de fronteira tectônica.

Outras pessoas estão lendo

Tipos de limites

Existem três tipos de limites de placas tectônicas ou litosféricas: convergentes, divergentes e transformantes. Elas são o ponto onde duas ou mais placas tectônicas se encontram e interagem. Quando a pressão acumulada entre duas placas é liberada intermitentemente, os terremotos acontecem. Cada tipo de limite possui certas características que servem para defini-lo.

Limites convergentes

Em limites convergentes ou destrutivos, uma delas é pressionada para baixo das outras em áreas conhecidas como zonas de subdução. À medida em que uma mergulha para baixo da outra, a placa subjugada se aquece e liquefaz, formando magma. Eles podem subir à superfície como vulcões. Ao redor da placa do Pacífico existem muitos vulcões e essa área é conhecida como o anel de fogo. No oceano, esses vulcões podem formar arquipélagos, como as Ilhas Aleutas. Se essas duas placas convergirem, mas não forem capazes de uma subjugar a outra, montanhas são formadas. As montanhas do Himalaia foram formadas dessa forma.

Limites divergentes

Limites divergentes são localidades onde as duas placas se afastam uma da outra, conhecidos como pontos quentes. A cordilheira do pacífico é um deles. Aqui, o magma do manto sobe à superfície e se esfria, formando uma nova crosta. À medida em que ela sobe, a nova crosta pressiona a antiga em direção às falhas convergentes, onde ela é destruída pela subdução. Isso faz desse tipo de limite um grande mecanismo para o movimento das placas tectônicas.

Limites transformantes

Limites transformantes são onde duas placas deslizam entre si horizontalmente. Não há produção nem destruição de crostas, então eles são conhecidos como limites conservativos. A falha de San Andreas é onde as placas Norte-Americana e a do Pacífico deslizam entre si. A placa do Pacífico se move a noroeste e a Norte-Americana, a sudeste. Esse movimento ocorre há dez milhões de anos. Os terremotos de San Francisco de 1906 e 1989 resultaram desse movimento. Entretanto, a maioria dos limites transformantes estão nas profundezas do oceano. Nessas falhas, os terremotos resultam do movimento das duas placas entre si. Elas criam cumes espalhados, produzindo margens em ziguezague.

Não perca

Filtro:
  • Geral
  • Artigos
  • Slides
  • Vídeos
Mostrar:
  • Mais relevantes
  • Mais lidos
  • Mais recentes

Nenhum artigo disponível

Nenhum slide disponível

Nenhum vídeo disponível