Mais
×

Causas de tosse e coriza em cavalos

Atualizado em 25 maio, 2017

Ao diagnosticar a tosse de um cavalo e nariz escorrendo, os veterinários procuram geralmente por três doenças. Doença pulmonar obstrutiva crônica, pleuropneumonia bacteriana e vírus da herpes equina, todas essas que podem causar desconforto respiratório e, sem análise veterinária adequada, podem ser facilmente confundidos um com um outro, escreve o veterinário Ronald Riegel, no “Illustrated Atlas of Clinical Equine Anatomy and Common Disorders of the Horse". Aprender a diferenciar entre estas desordens ajuda a proprietários de cavalos cuidar melhor dos seus animais doentes.

Os cavalos podem desenvolver doenças respiratórias por inalação de poeira de feno (horse image by sasha from Fotolia.com)

Transtorno Pulmonar Obstrutivo Crônico (DPOC)

A doença encontrada principalmente em cavalos mais velhos mantidos em climas mais frios, doença pulmonar obstrutiva crônica -- DPOC ou também chamados de "suspiros" -- produz tosse crônica e corrimento nasal ocasional em animais afetados após o exercício ou comer. Enquanto a verdadeira causa da DPOC permaneça desconhecida, os veterinários acreditam que uma reação de hipersensibilidade ao pó resulta na inflamação das vias aéreas inferiores do cavalo, o que caracteriza a doença. O tratamento veterinário geralmente inclui a administração de corticosteroides por um tempo limitado para aliviar a inflamação, e terapia de inalação agressivo.

Pleuropneumonia bacteriana

Quatro espécies de bactérias estreptococos causam pleuropneumonia em cavalos, geralmente quando o sistema imunológico do animal é comprometido pelo estresse, excesso de trabalho, transporte de longa distância ou uma infecção respiratória viral secundária. O mais comum, S. equi, resulta na doença chamada "estrangula". Sinais clínicos incluem intolerância ao exercício, perda de peso, tosse, febre, letargia e corrimento nasal. O termo "estrangula" vem da aparência inchada dos gânglios linfáticos na junção da face e do pescoço do cavalo, o que fica, muitas vezes, abscesso, soltando pus e fluido linfático. O tratamento geralmente inclui antibioticoterapia e administração de broncodilatadores. Seu veterinário também pode prescrever medicamentos sem-esteroides anti-inflamatórios -- AINEs -- e cuidados de suporte de fluidos intravenosos e suplementos vitamínicos.

Vírus da herpes equino

Cavalos afetados pelo vírus do herpes-1 têm uma tosse crônica, coriza e, em caso de gravidez, abortam o feto. Também chamado de rhinopneumonitis, este vírus normalmente invade os sistemas de animais mais velhos, imunocomprometidos, cavalos jovens ou fracos, e aqueles que estão estressados por excesso de trabalho ou exercício. O vírus da herpes pode ser rapidamente transferido pelo ar, de cavalo para cavalo e passar para as roupas e os sapatos de manipuladores. Devido à sua componente viral, veterinários tratam a doença fornecendo cuidados de suporte, incluindo o uso de AINEs, fluidos intravenosos e suplementos vitamínicos.

Prevenção

Cavalos infectados com o vírus do herpes e qualquer dos pleuropneumonia bactérias causadoras precisa ser isolado a partir de outros animais saudáveis ​​no celeiro ao manter-se de transmitir a doença. Em seu artigo "FAQ Equine Herpes Virus-1", os veterinários Larry J. Bauman e Liv Sandberg, da University of Wisconsin Equine Extension Service, recomendam isolar cavalos doentes por pelo menos 21 dias e usar água sanitária e procedimentos de lavagem das mãos adequadas para desinfetar as mãos e as botas dos seus manipuladores. Com cavalos diagnosticados com DPOC, os proprietários devem tomar todas as precauções para manter a poeira longe do animal do estábulo ou celeiro, mesmo que isso signifique absorver o feno do animal em água para evitar mais exposição à poeira.

Cite this Article A tool to create a citation to reference this article Cite this Article