Dieta pobre em sódio e potássio para falência renal

Escrito por ts jordan | Traduzido por kelly isayama
  • Compartilhar
  • Tweetar
  • Compartilhar
  • E-mail

Uma dieta para falência renal é uma abordagem projetada para reduzir a carga dos rins, os órgãos responsáveis pelo processamento de um número importante de minerais e nutrientes no corpo, incluindo sódio e potássio. Além de meramente restringir a ingestão desses itens, reduzir o consumo geral de proteínas pode ajudar a aliviar a função renal, ajudando a retardar o progresso da falência.

Outras pessoas estão lendo

Dieta pobre em sódio

Não consuma mais que 2.000 a 2.200 mg de sódio por dia enquanto estiver seguindo uma dieta para desacelerar o estabelecimento da falência renal. Conseguir isso não será fácil; sugere-se que se adquira o hábito de manter um registro do consumo de sódio em um pequeno caderno e carregue-o com você durante o dia. Verifique os rótulos nutricionais de alimentos ou on-line para determinar o conteúdo de sódio das comidas ingeridas, pesquisando constantemente alternativas pobres em sódio para seus alimentos e pratos favoritos a fim de evitar estourar o limite. A maneira mais fácil para atingir essa meta é apenas comer alimentos frescos preparados por você, já que se saberá exatamente a quantidade de sódio contida neles. Combinar essa abordagem com uma restrição de usar apenas sal de cozinha deve permitir que se mantenha dentro dos limites de sódio, mas não fique muito abaixo, já que o corpo requer um pouco desse mineral para manter o equilíbrio de fluidos apropriados.

Dieta pobre em potássio

Faça substituições de alimentos para limitar a ingestão de potássio, evitando comidas que possuem concentrações particularmente altas desse mineral. Embora seja possível que você já saiba que bananas contêm uma grande quantidade de potássio, outros alimentos ricos nesse mineral incluem café, chocolate, brócolis, damascos, cogumelos, laranjas, ameixas e todos os tipos de verduras (como couve, por exemplo). Ao invés desses alimentos, procure por itens pobres em potássio, como maçãs, cerejas, amoras, peras, cebolas, pepino, macarrão, feijões e uvas.

Restrição proteica

Restrinja o consumo total de proteínas para 40 a 60 g por dia, uma quantidade que dará a quantidade necessária ao corpo para o reparo de tecidos sem sobrecarregar os rins. Assim como a restrição de sódio, deve-se aproximar do limite de consumo todos os dias, já que o corpo requer uma quantidade nominal para funcionalidade apropriada. Atinja a restrição proteica ao limitar o consumo de carnes e laticínios, incluindo bife, frutos do mar, frango, ovos, leite e outros itens proteicos. Novamente, assim como o sódio, registrar as concentrações ingeridas pode ajudar, permitindo que se faça pequenos ajustes para permanecer dentro dos limites de uma dieta para falência renal.

Não perca

Filtro:
  • Geral
  • Artigos
  • Slides
  • Vídeos
Mostrar:
  • Mais relevantes
  • Mais lidos
  • Mais recentes

Nenhum artigo disponível

Nenhum slide disponível

Nenhum vídeo disponível