De que forma William Shakespeare influenciou o Renascimento?

Escrito por contributing writer | Traduzido por helmir soares
  • Compartilhar
  • Tweetar
  • Compartilhar
  • Pin
  • E-mail
De que forma William Shakespeare influenciou o Renascimento?
Como William Shakespeare influenciou a era Renascentista (Photos.com/Photos.com/Getty Images)

Outras pessoas estão lendo

O teatro de Shakespeare

Até a sua morte em 1616, Shakespeare escreveu aproximadamente 38 peças contando com o drama Henry VIII. Um grupo de acadêmicos argumenta que ele foi coautor de outras quatro peças, perfazendo o total de 42. Porém, a influência de Shakespeare na Renascença não se reduziu unicamente ao volume de textos teatrais. Enquanto ele, assim como seus contemporâneos, encontraram inspiração para as suas peças em escritos ingleses antigos como, por exemplo: histórias e peças de teatro medievais, romances italianos e literatura clássica, ele obteve sucesso, particularmente na inovação. As suas peças deixaram uma marca profunda e indelével no período da Renascença, devido à caracterização complexa de personagens como Iago e Edmund, que eram mais do que simples vilões, em sua linguagem rica e criadora presente na meditação de Hamlet e na autodefesa poética de Otelo. Não é de se estranhar, portanto que, em 1998, Harold Bloom designasse o estudo do cânone de Shakespeare como "A invenção do ser humano", tendo em conta o lugar central que a luta e o desenvolvimento individual ocuparam no mundo secular tanto para as suas peças como para o Humanismo Renascentista.

Sonetos de Shakespeare

Além das peças, Shakespeare escreveu 154 sonetos, publicados em quadras, em 1609. Salvo raras exceções, eles seguem a forma inglesa ao invés da forma italiana de Petrarca com três quadras sucessivas seguidas de um dístico final. Em conjunto, esses versos representam outra dimensão da grande contribuição literária de Shakespeare para a era Renascentista inglesa. Os temas da beleza, da juventude, da idade, do nascimento, da morte, da imortalidade e, como é óbvio, do amor ressaltam o ponto de vista renascentista, que se preocupava principalmente com o ser humano, o mundo material e as artes liberais. A linguagem densa e as metáforas polivalentes atraíram e confundiram os leitores de ontem e de hoje. Porém, os sonetos forneceram pouca informação concreta sobre a vida privada de Shakespeare. Até hoje, seus sonetos permanecem encobertos em mistério, pois ninguém sabe ao certo quem era o jovem rapaz ou a dama de negro que surge em seus sonetos.

O léxico de Shakespeare

A era renascentista significou um renascimento, um crescimento e um progresso cultural, tendo implicações profundas na linguagem e lexicografia na Inglaterra e no exterior. Enquanto o movimento literário em Itália e em outros países da Europa ocorreu várias décadas antes do movimento em Inglaterra, entre 1450 e 1600, os esforços para identificar, registrar e definir palavras floresceram. Isso é atestado pelos dezesseis dicionários monolíngues, bilíngues e especializados publicados durante esse tempo, de acordo com o estudioso Ian Lancashire. Assim como qualquer lexicógrafo do Renascimento, Shakespeare desempenhou um papel fundamental na expansão e documentação do inglês. De acordo com o Dicionário Oxford de Inglês, Shakespeare contribuiu com quase 3.000 palavras para o idioma inglês, um fato surpreendente considerando-se que não existiu um dicionário exclusivamente da língua inglesa antes da publicação da Gramática inglesa do professor Edmund Coote em 1596 e da Tabela alfabética de Robert Cawdrey em 1604. Como exemplo dos neologismos de Shakespeare, as primeiras duas entradas na OED para "olhos verdes" em relação ao ciúme são, respetivamente, do Mercador de Veneza (1596) e de Otelo (1604).

Não perca

Filtro:
  • Geral
  • Artigos
  • Slides
  • Vídeos
Mostrar:
  • Mais relevantes
  • Mais lidos
  • Mais recentes

Nenhum artigo disponível

Nenhum slide disponível

Nenhum vídeo disponível